Wednesday, October 24, 2007

One

.
Já está no ar minha nova coluna no GPTotal. Em pauta, Ferrari, McLaren e o U2. Hein?! Vai lá, comenta aqui!

12 comments:

Jayme said...

Tá não senhora! Jayme

Anonymous said...

Delicia de coluna,como sempre.

Veja como são as coisas ,estive conversando algo semelhante com um amigo meu nestes dias após a corrida ,claro ,afinal é uma semana de comemorações.

Mas um fato me chamou atenção este ano ,pois tivemos uma disputa aberta entre quatro pilotos teoricamente em pé de igualdade e quando se chegou ao Brasil uma peça do jogo estava fora da disputa ,justamente na Ferrari ,o time ,o One.
Na Mclaren não havia motivos para isso,até porque seus dois pilotos chegaram a essa decisão lideres do mundial ,a auto confiança era enorme ,e o castelo veio ao chão ,todos juntos ,como um "one" pra lá de desengonçado.

Jonny'O

Herik said...

Ótimo texto, mais uma vez. Aff... Você está muito previsível, Alessandra. Rsrsrs... Todo texto é a mesma coisa: tá bom demais e blá, blá, blá. ;-) Assim como os meus elogios.
Mas deixando os elogios de lado, achei hilária sua previsão sobre a situação da McLaren. A verdade é que a razão dizia aquilo mesmo. Mas acho que sua intuição, desde seu sonho de julho, está mutio mais afiada.
Grande abraço.

Alex Sotto said...

Ótima coluna AlePanda, como sempre.

E essa música do U2 é líndissima mesmo.

A previsão sobre a McLaren merece um desconto, Hamilton assustou e surpreendeu a todos.
Já o relacionamento do Dennis e Alonso até me supreendeu também, menos pelo Dennis, mas mais pelo Alonso, eu imaginava que a choradeira Alonsiana dos anos anteriores fosse algo que funcionasse como um combustível pro cara, esse ano ele errou a mão!

E foi ótimo te ouvir lá no G de Interlagos!


Alex Sotto

rafael duarte said...

Ola Alessandra...

Voce escreveu exatamente o que eu penso. Concordo contigo em genero, número e grau, principalmente na passagem "No entanto, acho que boa parte dos que gritam pela ética, contra resultados arranjados, silenciariam se o piloto beneficiado fosse seu compatriota".

É exatamente isso. Exatamente isso que os brasileiros em geral nao entendem. Se nos beneficia, OK. Se nao, levantamos bandeiras e protestamos, reclamamos, etc... Na minha opiniao, o Brasil esta na M que está exatamente por causa disso. Olhamos o individual e o que nos beneficia, e esquecemos o grupo, o coletivo, o "one".

Pergunta.... Voce nunca escreveu nenhum livro nao? Iria adorar ler mais coisas tuas.

Abraco!

Robson Leandro da Silva said...

Boa coluna Alessandra.

O Ron Dennis sempre foi pai de um dos seus pilotos. Historicamente tem sido assim. Ele adotou Prost na época em que este dividia a equipe com Lauda, depois adotou o Senna (que inclusive era padrinho de sua filha)em detrimento ao francês. Em seguida foi a vez de Hakkinen ser adotado por dez temporadas em detrimento a todos que passaram pela equipe. Sinto que ele até tentou adotar o Kimi quando o tirou desesperadamente das mãos de Peter Sauber, mas o temperamento do finlandês não permite aproximações.

Adorei o trecho das previsões. Vou fazer isso ano que vem: anotar e conferir no final o quanto eu acertei.

:)

Jayme said...

Olá Alessandra, que dizer que além de gostar de F1 voce gosta de Rock? Muito bom gosto por sinal, voce ja deve ter ouvido a versão de One em dueto do U2 com a Mary J. Blidge, é de arrepiar. Agora eu te pergunto como voce suporta um mala como o Flavio Gomes, que gosta de carro feio e velho? Andar de Lada deve ser f..., bem deixa pra lá. Isso é próprio de moleque ou velho babão. Quando eu era molequinho, lá na USP tinha um Jeep 65, parava no ponto de carona e lotava de gente, aí um dia uma menina me perguntou onde eu tinha arrumado aquela "coisa", é mole. Adoraria comprar e restaurar um Karman Ghia, mas estou longe de ser uma velho babão, rsrsrsr.

Degas said...

Eu não entendo muito de música Pop. Sou mais ligado em outras manifestações, curiosamente a música erudita e a música de raiz - raízes que podem estar no sertão da Paraíba ou no Harlem de New York - ,aparentemente tão distantes entre si, são as que mais me deleitam.

Por isso parte do texto perdeu o sentido para mim. Mas meu encanto permanece. Alessandra tem uma facilidade incomum com as palavras.

Você já tentou enveredar pela literatura? Poesias e, já que seu forte é a narrativa, romances poderiam ser deliciosos de se ler. Não é um conselho. Estou pensando mais em mim, leitor, quando sugiro isso.

E delicioso de ver foram os palpites a respeito da Mclarem.

Pessoalmente, sei que cometeria tantos erros quanto você, embora erros diferentes. Porque eu sou muito cético com relação a Fernando Alonso.

Não acho Fernando um piloto fraco.

Mas lembro que em 2005 a quantidade de vezes que a sorte o ajudou parecia coisa de bruxaria! Tudo dava errado para Kimi! Sempre! Se fosse na idade média, e na Espanha, Torquemada em pessoa cobraria explicações dele.

E em 2006 ele teve um equipamento superior à Ferrari durante boa parte da temporada. Mas no final do ano o time vermelho chegou. Fernando ia perder o título, afinal outro cara sortudo também era Schuamcher.
Mas ser sortudo não é ser bruxo, e no Japão a Ferrari teve um motor estourado (coisa que não ocorria desde o período pré-cambriano) e eis Alonso novamente com a taça nas mãos.

Ele é um piloto que nunca havia sido deveras pressionado. Nunca dividira a equipe com um piloto realmente forte, que o forçasse a cada prova, a cada treino, a cada... entrevista!

Não sobreviveria no papel de Senna, contra Prost, nem vice-versa. Nem no de Piquet/Mansell, nem no de Prost/Lauda. Como não sobreviveu no papel de Alonso contra Hamilton.

Porque, Alessandra, aqui vai uma chance de você me gozar no final de 2008, ele não sobreviveu. Ou vai ser um apagado componente do time prateado no ano que vem ou, cãozinho indefeso e escurraçado, vai procurar um lugar mais aconchegante prá se abrigar.

É ver para crer.

Celinho Boy said...

Alessandra, li tua coluna é achei muito boa. Continuas com aquele interessante vínculo música e Fórmula 1. Bem lembrado este lance sobre o trabalho em equipe da Ferrari em prol de apenas um piloto. O interessante é que certamente a McLaren não esperava que ouvesse uma disputa tão acirrada entre um piloto tarimbado e uma revelação. E ao contrário dos outros anos, a Ferrari liberou os pilotos para disputa. Só voltou a ser a velha Ferrari agora, na reta final. Abraços Alessandra

Alessandra Alves said...

jonny´o: nunca deu certo colocar dois pilotos para brigar por título na mesma equipe. sempre dá m...

herik: obrigada pelos elogios, apesar da previsibilidade hehehe vou seguir seu conselho e começar a usar mais a intuição. quem sabe...

alex: obrigada pelos elogios e pela audiência lá no autódromo. e quanto ao hamilton, acho mesmo que ele surpreendeu até o patrão.

rafael: pois é, ninguém reclamava que o ron dennis fazia o berger de gato e sapato para o senna, né? enfim, obrigada pelas doces palavras.

sobre escrever um livro, pode ter certeza, está em meus planos, mas ainda não consegui concretizá-lo.

robson: eu coloquei o trecho das previsões antes que algum aventureiro lançasse mão. prefiro eu mesma dar a cara a tapa!

jayme: eu conheço a versão do u2 com a mary j. blidge mas, pessoalmente, prefiro a original. nada contra, mas essas cantoras estilo "matança do porco" às vezes me cansam um tiquinho. mas são muito melhores que os carros velhos do gomes! hahahaha

degas: como eu escrevi para o rafa, acima, escrever um livro está, sim, em meus planos. já rabisquei algumas coisas em poesia, mas tenho uma vergonha enoooooorme de mostrar para os outros. a idéia de um romance me atrai muito, só não tive tempo ainda.

sobre o alonso, eu o considero um excelente piloto, que erra pouco, o que talvez seja o grande diferencial dos grandes pilotos da fórmula 1. este campeonato recém-encerrado foi um caos e alonso me pareceu um tanto esquizofrênico até nas pistas, lembre-se do gp do canadá.

ainda acredito nele para 2008, e vou lembrar de te cobrar sobre isso!

celinho: a ferrari liberou, sim, a disputa entre os pilotos, mas soube manter-se unida, bem diferente da mclaren. e obrigada pelos elogios!

rafael duarte said...

Oi Alessandra

Quando escrevi o post, pensei exatamente na situacao Senna - Berger a qual voce descreveu. Odeio esse tipo de discussao, pois a maioria das pessoas que comentam/discutem sobre o tema levantam a bandeira e se alteram de uma forma incompreensivel. Ate parece que vai fazer a MAIOR diferenca na vida deles...rs
Pixam o Schumacher nos anos que o mesmo tinha o Rubinho como companheiro, como se o alemao tivesse ganho todos os titulos pelo fato de ter ajuda da equipe/companheiro, e nao por ser mais piloto. Agora quanto ao Senna nao... No caso do Senna "era diferente"... Soh rindo mesmo...

De qualquer jeito, legal achar gente que pensa como a gente. Por isso estou toda hora por aqui.

Abraco!

Ron Groo said...

Uia...eu sempre achei que 'One' era uma musica política! E agora descubro que é sobre a politica do amor... Vivendo e...
Bem, eu também acho que liberar os dois pilotos pra briga na pista é ruim pra equipe, mas seria legal pro espetáculo, não acha?
E ontem ouvindo o disco acustico do Lobão ouvi uma letra que caiu bem no campeão deste ano...ela diz:
Eu sou nada e é isto que me convém.
E foi mesmo. Apagado durante boa parte do campeonato e campeão, pra meu azar, no fim dele.
Bela coluna, qualquer dia paro de elogiar. Adjetivos acabam...