Sunday, October 21, 2007

O sonho

.
Em dez de julho deste ano, anunciei neste post o fim da temporada de Fórmula 1 de 2007. Sonhei que Kimi Raikkonen seria campeão, o que foi nonsense naquela época, porque o finlandês fazia uma temporada bem mequetrefe até então. Quer dizer, mequetrefe na comparação com Lewis Hamilton, Fernando Alonso e Felipe Massa.

É certo que, do GP da França para frente, Kimi somou mais pontos que os outros três, mas ainda assim chegou com status de zebra a Interlagos.

E eu cheguei a Interlagos, neste domingo, a bordo de um Corcel II.

///

Acredite se quiser: este dia com clima de Saara começou, para mim e para Victor Martins, com chuva! Mais uma vez, passei na casa do solerte repórter às sete da matina, para tomarmos juntos um chá de cadeira ainda mais longo à espera do bolchevique Flavio Gomes. Certo é que chegamos à Zona Sul já com sol. Confesso que estava um pouco tensa com o tipo de veículo que Gomes iria nos impor. É duro viver sob esses regimes totalitários. Mas Gomes hoje mostrou-se um déspota esclarecido e nos levou a bordo de um Corcel II 1979, que só pelo fato de ter janelas já ganhou de longe do Candango da véspera.

///


Fábio Seixas, da Folha de S.Paulo e da Rádio Bandeirantes, Victor Martins e Flavio Gomes, do site Grande Prêmio


No caminho, mais um papo esperto com o simpático Fred, amigo sueco do camarada Gomes. Falamos sobre Ronnie Peterson e sobre sua esposa, Barbro. Fred também tentou me convencer a ir esquiar nos Alpes. Fiz cara de pouco entusiasmo, explicando que detesto frio e adoro sol. Fred, simpático senhor de cristalinos olhos azuis-verdejantes, arregalou-os, incrédulo. "Você até parece uma carioca bronzeada falando desse jeito."

///



Quem gosta de esquiar nos Alpes é o Ico, que encontramos assim que estacionamos o Corcel II. (Por favor, coloquem reparo no respeito diferenciado ao digno automóvel do domingo. Meu pai teve dois ou três Corcel II no final dos anos 70. Jamais chamarei algum deles de lata velha.) Ico estava com seu sorriso sereno de sempre, mas de repente pareceu ter um insight. "Estou sentindo um clima diferente aqui hoje, vai dar zebra." Talvez tenha sido por isso que, no início da transmissão da rádio, eu tenha cravado palpite em vitória de Kimi Raikkonen, com Felipe Massa em segundo. Sim, fiz isso, apesar de ontem ter escrito aqui que esperava vitória de Massa no GP, com Hamilton campeão. Apostei ma intuição do Ico e acabei acertando.

///

E a confiança inexplicavelmente cresceu a ponto de eu chamar Barbara Gancia para uma aposta. Ela havia apontado Massa e Hamilton como vencedores, respectivamente, do GP e do campeonato, como eu fizera ontem. Apostei a moeda de troca recorrente de Barbara - um picolé de limão. Ela topou. Só não me pagou até agora, mas me parabenizou no ar.

///

Ao longo da transmissão, depois do inacreditável erro de Hamilton, mencionei que o inglês talvez tivesse sido vítima da ancestral maldição da categoria de acesso. Nunca nenhum vencedor da Fórmula 2, da Fórmula 3000 ou da GP2, as categorias que ao longo da história têm funcionado como último degrau antes da Fórmula 1, foi campeão na categoria principal.

///


A disputa entre Nico Rosberg e Robert Kubica pelo quarto lugar, ao final da prova, chegou perto de dar bobagem. Na cabine da Band, outro comentarista convidado, o líder da Stock Car, Cacá Bueno, chamava a atenção para a proximidade perigosa dos dois. O pega mais acintoso era na entrada do S do Senna, imagem que nem sempre a televisão mostrou. Assim que a BMW e a Williams passavam, imediatamente Cacá e eu levantávamos para conferir o que ia sair daquela briga. Um toque entre os dois poderia significar o título para Hamilton, que herdaria duas posições e assim ultrapassaria Raikkonen. Mas, no íntimo, não achei que Kubica permitiria um inicidente que favorecesse Hamilton. Depois do entrevero entre o polonês e o inglês, no Japão, Kubica tornou-se o segundo maior desafeto de Hamilton na categoria. Perguntado sobre quem ele achava que seria campeão, foi direto: "Qualquer um, menos Hamilton".

///

No GP da China, Ron Dennis disse que não estava lutando contra Raikkonen, mas contra Alonso. Na minha mente, ecoa a melodia de um velho rock dos Mutantes: top, top, top.

///

O repórter Julio Gomes, da Band News, tirou um sarro de leve da minha cara, depois da transmissão, já na sala de imprensa. Em minha última intervenção na rádio, eu admiti que estava extremamente emocionada ao final da prova, e estava mesmo. Não torço pela Ferrari, embora tenha leitor aqui que não se convença do contrário, nem em especial para Raikkonen. Torcer eu torcia pelo Corinthians, quando estava na ativa, só que agora me aposentei. Mas ver Raikkonen campeão foi a concretização daquela que me parecia a única saída digna para a Fórmula 1. Lewis Hamilton e Fernando Alonso são pilotos bons demais para levarem um título manchado pela má conduta da McLaren. Não merecem isso. Enxerguei no título de Raikkonen uma vitória do esporte. Esporte que eu amo, que preenche minha vida de emoção. Sim, Julio, fiquei emocionada. Não chorei, mas pode rir. Eu, pelo menos, não tenho um irmão que dirige um carro sem janela.
Atualização: registre-se que Julio também apostou em Kimi no início da transmissão. Mas não apostou com a Barbara, por isso ela só deve o picolé para mim.

///

Hamilton ontem estava com nove dedos na taça. O dedo que faltava ele talvez hoje esteja chupando.

Coitado...

///

Vamos ser bem sinceros? Foi uma expectativa imensa, da primeira à última volta. Mas corrida espetacular, mesmo, só quem fez foi... Lewis Hamilton. Cometeu dois erros fatais no início da prova, primeiro na disputa com Alonso, depois no engate equivocado em um câmbio semi-automático. Fórmula 1 é jogo de erros. McLaren e Hamilton erraram pouco ao longo da temporada, mas erraram em momentos cruciais. Depois de cometê-los, Hamilton partiu para a chamada corrida de recuperação e foi galgando posições, enquanto os líderes pouco se arriscavam. Menção honrosa para mais uma excelente prova de Nico Rosberg. De resto, sobrou a ansiedade pelo título. Persiste o paradoxo da temporada de 2007: como pode um campeonato ser competitivo se as partes que o compõem - as corridas - são tão previsíveis?

///

Na próxima quarta-feira, minha análise sobre o GP do Brasil de 2007, no GPTotal.

27 comments:

Eloisa said...

Muito legar por cara aos nomes! ahahaha

mas vou te contar, não é só o Ico que anda com intuição, no gp da China (o qual eu gravei) eu fui dormir tendo certeza que qdo eu levantasse o campeonato não ia estar decidido, que o Hamilton ia fazer barbeiragem (mas a certeza era tanta que FUI dormir!). de manhã quando vi a corrida eu não acreditava.

Quando todos começaram com as conversas de ponto pra cá ponto pra lá eu cravei: Kimi campeão. Até minhas colegas do F1Girls me chamaram de louca:"Ai Elô, seria ótimo mas é tão impossivel!". eu só respondia que era improvável, não impossível (a chata aqui era CDF e boa de matemática). Quem me perguntou durante a semana eu disse Kimi na cabeça.

E agora sabe o que vou fazer? Jogar na loto, vai que ganho?!?

Ademir said...

Alessandra, belo sorriso moça !

Quanto ao dedo faltante eu tenho até um palpite de onde ele está agora...

Marcus said...

Minha torcida para o Raikkonen teve o mesmo sentido da sua: a defesa da esportividade em uma temporada marcada por escândalos.

Mas confesso que, depois que o próprio Raikkonen deu a entender (em algum momento durante a briga entre Alonso e Hamilton na McLaren) que a Ferrari era um lugar tranquilo de trabalhar, de gente amiga, ao contrário do time de Ron Dennis, comecei a gostar da equipe de Maranello, independentemente do fato de ter acolhido nossos dois últimos pilotos de ponta.

Por isso mesmo, não gostei daquela cara amuada do Massa no pódio, e da extrema frieza com que ele recebeu o Raikkonen quando saíram dos carros.

É ridículo Massa pretender que foi injustiçado com a decisão de trocar de lugar com o finlandês. Se houve uma temporada onde a Ferrari não favoreceu nenhum de seus pilotos, foi essa.

Parabéns pelo trabalho na transmissão da Band.

Anonymous said...

Que beleza!
Acho que foi um alivio para todos,enfim pode-se por um ponto final para esta temporada sem as duvidas que ficariam com outro resultado.
Como estava lindo o visual das arquibancadas com o predominio da cor vermelha,emocionante!
Vai tomando espaço no coração,de pouco em pouco ,mesmo nos mais resistentes.
No fim da corrida lembrei de 64 ,outra final tripla que deu Ferrari.
Boa semana a todos!

Jonny'O

Herik said...

Alessandra,
Parabéns pelo trabalho na Rádio. Ainda que um pouco tímida e falando pouco você foi, mais um vez, muito bem.
Agora pare com essa resistência! Seu coração já é Ferrari. Só falta admitir. Eu, Jonny'O e demais torcedores da Ferrari te aceitamos na família. ;-) E nem precisa forçar a barra e torcer para os italianos no futebol. Palmeiras é demais para você, não é?
Mas quanto a corrida em si... Justiça! Ainda mais com o erro "a la" Mansell que Hamilton cometeu. Putz, colocar carro em ponto-morto durante a corrida é demais. E nós fazemos piadas é com os portugueses.
Abração.

Caíque. said...

Alessandra,
Minha opinião sobre os acontecimentos deste anbo na F1, já coloquei em todos os sites que participo. Idem o que acho do Hamilton, mas no sábado a tarde postei no Blog do Ico que "Deus escreve certo por linhas tortas" e "a corrida só terminaria na Bandeirada"...ELE escreveu e ASSINOU!!!!

Fabrizio Salina said...

Como já escrevi antes, seu blog é muito bom e vc escreve muito bem, só não imaginava que fosse tão gatinha!
Se estiver solteira, me avise... ainda mais que entende de f1!
Bela transmissão no rádio, enquanto a da tv foi uma das piores!

Anonymous said...

Hamilton é mesmo um fenomeno.Depois que o cambio semi autmático passou à ser usado é a primeira vez que fico sabendo de alguém errar uma marcha na F1.Está mesmo fazendo história.

Anonymous said...

Perfeito Alessandra. Parabéns por tudo. Grande abraço
Celso Vedovato - Salvador

Anonymous said...

Menina,
Então o negócio das marchas foi erro do Hamilton mesmo????
Coitado.
No mais, parabéns a Ferrari, Raikkonem, massa e a vc pela cobertura.
Luizano

Diego said...

O melhor disso tudo, é que o filho do Ron Dennis perdeu, que o próprio Ron Dennis perdeu, saiu como o maior derrotado da temporada. Não adiantou nada correr contra o Alonso, o Kimi foi lá, ganhou e vai beber até cair pra comemorar.

P.S. Na situação do Kimi, eu também beberia até cair.

Celinho Boy said...

Sinal que tua intuição não estava tão errada assim(me refiro ao sonho). logo de cara me lembrei dum comentário dum dos teus comentaristas de que a exemplo de 1986, tinha 3 pilotos disputando o título com um inglês trapalhão entre eles e um azarão. Qualquer semelhança entre o título do Prost e do Raikkonen e as falhas de Mansel e de Halmilton é mera concidência. Parabéns pro que disse isso.
como pus no meu blog, a vitória do iceman foi um banho de gelo(nem de água fria é)nos ímpetos quase beirando ao ódio étnico e ao patriotismo. Isso sem falar no episódio da espionagem que manchou a F1. Seria por acaso fruto duma mão divina? Afinal, dizem que Deus é brasileiro, he, he!!!!
Não posso deixar de frisar a lamentável perfomance do Rubinho(nenhum ponto) e ainda por cima, quebrar em casa. péssimo fim de carreira, quase beirando a indignidade. E consegui com algum esforço e apesar dos chiados típicas das ondas curtas, consegui ouvir boa parte da corrida(me lembro da parte do picolé de limão, he, he). Nossa, era bem gostosa a sensação de escutar uma corrida pelo rádio e vendo pela TV. Pena que o som não era lá essas coisas, mas deu pra ouvir até sair o sinal de vez.
Por fim, gostaria de dizer que foi muito bom acompanhar ao longo deste ano a F1 através das tuas sempre ponderadas opiniões, bem como de promover uam exercitação de meu arquivo íntimo sobre o tema proposto. Espero continuar a parricipar destes deliciosos exercícios de idéias. a partir de hoje faz parte de meus links. Abraços e parabéns pela cobertura.

Jayme said...

Olá Alessandra, a um bom tempo atrás nos correspondemos sobre um texto seu sobre o shopping Iguatemi. Não sabia que voce comentou pela Band, e de manhã eu estava acompanhando a Band e rachando de rir com a Barbara, que figura. Olha eu estava torcendo muito pelo Kimi, porque gosto do jeitão tô nem aí dele, e porque ele já merecia ter sido campeão se aquela droga de McLaren não quebrasse o tempo todo, e ainda por cima queriam colocar a fama de pé frio no cara, logo o "pé quente do Galvão" sarava, mangalô meu Pai! Lembrá-se daquela corrida que o Kimi liderava e na última volta a suspensão foi para o espaço por causa do pneu? Pois é sempre pneus. A Mclaren perdeu para a sua arrogancia e falta de ética e manchou o seu nome e ainda deram um passa moleque daqueles no espanhol, que sangue quente latino mandou tudo e todos a merda. Por último parabéns, mas pela sua beleza. Jayme.

Marcio Gaspar said...

alessandra: nao tenho nada a comentar sobre o tema F1 - não vi essa corrida e nem nehuma outra da temporada, mas... se vc quiser dá uma olhada em um certo post lá domeu blog em http://quasepoucodequasetudo.blogspot.com/2007_09_01_archive.html. ele fala de george harrison e de F1 - é o mais próximo que já cheguei de um beatle (e da F1 tb...)

Ron Groo said...

Hamilton ontem estava com nove dedos na taça. O dedo que faltava ele talvez hoje esteja chupando.

Coitado...

Meu Deus, esta foi a melhor que li nos ultimos anos... KKKKKK Perfeito, exato!
Pior que ele só eu que vou ter de sair do gorila no blog por conta de uma aposta com as F1 Girls...KKKKk Hilário.
Quanto ao resto do post...Muito legal, deve ter sido um dia daqueles que um mortal comum jamais esquece. E conta pros netos...

Alessandra Alves said...

elô: no ar, também me pediram os números da mega sena. ah, se fosse fácil assim... o que eu gostei, no caso da sua intuição, foi sua confiança. foi dormir e pronto. que intuição porreta!

ademir: obrigada! :)
esse dedo do hamilton está dando o que falar.

marcus: obrigada pelos elogios. eu tenho uma visão um pouco diferente em relação ao massa. por puro acaso, eu estava no paddock quando ele voltou para o box, depois das coletivas. ele foi ovacionado pelo time e abraçado por todos, com o pessoal fazendo fila para cumprimentá-lo. ele estava, de fato, com uma cara de quem comeu e não gostou logo depois da prova e acho isso muito natural, porque pilotos desse nível querem ganhar, sempre. e ele abriu mão da vitória, claramente. acho que ele sentiu certa amargura, também, em função de perceber sua real chance de título ter escapado por um conjunto de erros - da equipe e dele. espero, sinceramente, que massa não entre nesse tipo de discurso de complexo de vira-lata...

jonny´o: sim, a arquibancada estava rubra, mas claramente pelo massa. mas foi bonita a festa, sim.

herik: sobre a transmissão na rádio, não era timidez, não, é que o pessoal é mais vibrante, eu sou mais zen, sei lá... quanto a torcer pela ferrari, agradeço a acolhida, mas não, obrigada. e palmeiras, fala sério, né?

caíque: eu acrescentaria uma reflexão - aqui se faz, aqui se paga.

fabrizio: agradeço pelos elogios, ao blog e à dona dele, só que ela também já tem dono...

luizano: foi erro sim, ele admitiu depois. incrível, né?

diego: lamento sinceramente pelo hamilton, porque ele foi submetido a uma condição que o deixou sem alternativa, gênio ou imbecil. ele pode creditar tudo a seu protetor, ron dennis. com um padrinho desses, ninguém precisa de padrasto...

celso: obrigada, meu rei!

celinho: como é isso, rapaz? você agora tem um blog? qual é o endereço?

obrigada por me sintonizar aí no sul!

jayme: obrigada, e seja bem vindo novamente. pois é, essa é outra ironia da história da mclaren. raikkonen saiu de lá e foi campeão...

marcio: vou olhar! e, nos próximos dias, retomo os posts sobre música.

ron: quero ver você de gorila, ah, se quero. e foi mesmo muito legal ontem. eu não cobria um gp do brasil desde 1995, foi bom voltar.

Blog F1 Grand Prix said...

Alessandra,

Venho aqui te parabenizar pelo seu palpite. Na mosca! Eu estava na arquibancada do setor A, ouvindo a Rádio Bandeirantes, quando você chamou a Bárbara para a aposta. Na hora, eu pensei: a Alessandra tá de brincadeira!! Além de você, só o meu pai apostava as fichas no Raikkonen. Eu torcia pelo "homem de gelo", mas nunca achei que ele fosse ganhar...

Espero sua coluna de quarta-feita então!

Grande abraço!

Gustavo Coelho

Marcus said...

O Estadão publicou uma matéria bem engraçada com o Kimi enchendo os cornos de vodca na noite de comemoração do título.

Acho que foi o Fábio Seixas que fez uma piada, não? "O sindicato dos bares está em festa, Kimi Raikkonen é campeão"!

Marcelo Arruda said...

- Um paralelo F1 e futebol...
A torcida da Ferrari é talvez uma das torcidas mais vibrantes da F1. A equipe tá fraca, rezando para marcar pontos?
Tá lá ela , empurrando o carro.
Um milagre garante o título?
Tá lá ela, fazendo reza pra santo.
A equipe granha?
vixe, segura a galera...

não tenho visto nas reportagens, ultimamentea torcida corinthians (vai em minusculo mesmo...) cornetando. O que enchia de brios o corinthians, até nos piores momentos.
Deve ser por isso que o momento do corinthians deve ser O pior momento. Muito torcedor se aposentando...


- Uma crítica construtiva ao post: apesar de grande fotos e comentários, faltou fotografar as caras dos jornalista ingleses e espanhóis na sala de imprensa...

valéria mello said...

Eu estava torcendo pelo Hamilton, mas não achei ruim o título ficar com o Kimi. Depois da história da espionagem a McLaren não merecia mesmo ter esse gostinho. Como você disse, a vitória foi do esporte, a justiça que os cartolas não fizeram foi feita na pista.

Rodolfo said...

É que você não torce pela Ferrari eu sei, pois não esqueço que você, antes de começar o campeonato vangloriava com o título nas mãos do alonso. E deu no que deu.
sabe quando alonso será campeâo de novo?
Nunca mais. As duas vitórias dele foram casuais. tudo foi trabalhado para ele, principalmente na primeira. Agora este ano acusou o golpe quando se defrontou com um menino na sua equipe.
Ano que vem nâo terá mais carro nem ajuda da Michelin.

Alessandra Alves said...

gustavo: ah, que legal! então você estava lá, achou que eu tinha pirado, mas depois me achou uma verdadeira mãe diná, né?

marcus: sim, o fabio, o odinei, quase todo mundo tirou uma casquinha da preferência etílica do kimi.

marcelo: outro dia escrevi que a torcida da ferrari era diferenciada, dizendo até que era a única torcida da fórmula 1, o que me rendeu uns puxões de orelha. mas será esse o problema do corinthians? está faltando a galera reclamar? não sei se vale a pena incentivar. normalmente, torcida quando reclama termina em pancadaria...

quanto às fotos: putz, eu adoraria ter feito, mas eu estava na cabine da rádio, que ficava beeeeeeeem longe da sala de imprensa. só estive na sala de imprensa antes e depois da transmissão.

valéria: sinto-me assim mesmo. eu me encantei com hamilton, mas acabei pegando bode de tudo o que fizeram por ele...

rodolfo: pois é, não torço mesmo, embora o jonny´o e o herik queiram me arrastar para maranello de qualquer jeito. já falei: torcer eu torcia pelo corinthians, mas agora me aposentei.

meu amigo, eu não me vangloriei de um título do alonso neste ano, até porque não poderia me vangloriar de uma coisa que ainda não aconteceu, né? eu apenas apostei nele no começo do ano, pelas razões expressas na coluna do gptotal "jogo de adivinhação". era um palpite, não uma torcida, ok?

Elizandro Rarvor said...

Alessandra, quero dizer que vi alguma foto sua de uns 10 anos atrás e levei um susto ao perceber que realmente era você ao lado do caca bueno.

Vocês está maravilhosamente linda, como o tempo tem feito bem para você.

Vou começar a praticar maratona também.

Ah sim, você escreveu sobre F1, né??? Bom não deu mais para ler nada, só ficar olhando as fotos.

Celinho Boy said...

Ye, alessandra. Tenho este blog há 2 anos. Ouvi falar do teu blog por intermédio da Denise Ritta. Já leio ele com frequencia há quase 7 meses. já era hora de por um link. Clique no meu profile das mensagens dos comentários ou acesse : dulgeleoso.blogspot.com
Abraços

Eloisa said...

alessandra, eu tava vendo teu curriculo e eu acho q tu e meu pai trabalharam na Ford ao mesmo tempo, na época da separação da Autolatina!
se bobear se conhecem

rafael duarte said...

Como te disse, nao pude ouvir a transmissao, mas pelo que estou lendo aqui, deve ter sido otima!

Deixei os comentarios sobre isso no post abaixo...

Obs: O que aconteceu aqui? Ta cheio de Don Juan! Hahaha

Abraco!

Alessandra Alves said...

elizandro: fiquei curiosa para saber que foto minha você viu. pode ter certeza, era eu mesma, só que nos meus tempos de "fiona" ;)

quem sabe um dia eu conto como aconteceu essa mudança.

celinho: vou olhar, assim que der!

elô: sim, trabalhei na ford entre 1995 e 1997. me escreve no aalves77@gmail.com e me fala mais do papy, please?!

rafael: oh, meu querido, desculpe! claro que vi seu comentário sobre a reação meio satisfeita, meio apática dos espanhóis, mas no afã de comentar sobre a corrida, acabei concentrando a atenção no post novo. o ico postou uma paródia super engraçada do alonso, feita aí na espanha. vale a pena ver. e sobre a gentileza dos leitores, ora, vocês são mesmo muito gentis!