Sunday, April 02, 2006

E agora, José?



Seguindo o movimento iniciado no blog do Pedro Alexandre Sanches, abro o espaço para os comentários acerca do tema acima.

Estejam à vontade.

22 comments:

wanderson ricardo said...

Os Petistas estão tendo que explicar muitas coisas. A grande mídia tem criado situações e as direcionado com muita competência. Já vitimaram pelo menos um ícone do movimento. Mas, se Fidel sobrevive ao boicote do gigante, haveremos de sobreviver à hecatombe!! Serra, Alkimim, FernaNdo e todos os outros aproveitadores pagarão por suas mentiras. Mais dia, menos dia, o povo verá quem são os verdadeiros estelionatários do eleitor e do país. "Veja" e suas congêneres teão que se explicar. Por fim, evidentemente que José Serra é mais um dos grandes PILANTRAS. Difícil é entender o irrestrito apoio que recebe da imprensa; que, aliás, só se explica pelo seu passado de militância não tão sujo.

Daniel Carlos Nava said...

Não tenho opinião sobre a atitude do Serra. Vou anular meu voto a governador, mesmo.

Anonymous said...

Eu nunca duvidei disso! Afinal de contas, o PSDB tornou-se famoso pelo "em cima do muro". Portanto, a atitude de José Serra, é totalmente adequada a um princípio partidário característico dessa gente! Dá pra acreditar em tucano? Olhem só o tamanho do bico! Falam, falam, falam... e não dizem nada... Lembrem-se: O PSDB está aliado ao PFL! Agora tanto o Estado quanto a cidade de São Paulo, estão à cargo dessas pessoas! Pobres de nós... Claudio Limbo, quer dizer, Lembo, e Gilberto Cassado, quer dizer, Kassab!!!

Alessandra Alves said...

a intenção, ao postar a carta-compromisso de josé serra, era suscitar o debate, e pelo jeito está dando certo. não quero moderar nem direcionar o conteúdo das postagens, vou acrescentar algumas visões pessoais minhas.

sou uma incorrigível otimista e sempre tendo a enxergar coisas boas em fatos aparentemente ruins em sua essência. a mudança de postura do ex-prefeito é ruim porque evidencia um compromisso quebrado, antes de mais nada.

para mim, é ruim em um sentido mais remoto. como cidadã e eleitora, eu me sinto desamparada com atitudes desse teor vindas de gente como josé serra. por quê? ora, se viesse de paulo maluf, acm, orestes quércia, sejamos honestos, não nos chocariam tanto. esses políticos fazem parte daquele rol de personalidades públicas forjadas em um modelo político-partidário antiquado e viciado, baseado em frases e conceitos como "rouba mas faz", "manda prender e manda soltar" etc.

quem é josé serra, ou quem era josé serra, para a vida política brasileira? um homem de vivência pública extensa, iniciado na convivência de luta pela democracia ainda em seus tempos de estudante, líder estudantil exilado, um artíficie do combate à ditadura.

na nossa lógica - talvez, na nossa ilusão - serra se aproxima e se afina muito mais com os outros artíficies da luta democrática, associados aos partidos de esquerda no brasil, do que às práticas desses políticos citados acima. é uma traição ao nosso próprio cabedal de informações enxergar em serra um político com os mesmos propósitos e práticas de maluf, acm e adjacências.

não votei em serra nas últimas eleições, portanto esta não é uma reação de eleitora traída, mas de cidadã incomodada.

Alessandra Alves said...

e onde estaria o "lado bom" do fato?

enxergo, sim, um lado positivo na decisão de serra, e está justamente em promover uma reflexão ampliada por parte da sociedade. serra deixou a prefeitura nas mãos do pfl - seus aliados - para concorrer ao governo do estado depois de assinar um compromisso de que não tomaria tla atitude. mentiu, portanto.

da mesma maneira que a sociedade avaliou e condenou a atitude do ex-ministro palocci, do ex-ministro e ex-deputado zé dirceu, tem agora a oportunidade de avaliar a conduta do ex-prefeito, que também não honrou um compromisso assumido anteriormente.

o lado positivo, na minha opinião, não é mostrar que o psdb também mente, como o pt. importante, relevante e positivo é possibilitar a reflexão ampliada sobre ética, sobre condutas morais aceitáveis e detestáveis, inclusive em nossas vidas cotidianas. não queremos políticos que mentem, que roubam, que praticam tráfico de influência. mas estamos dispostos a varrer esse tipo de conduta de nossa vida integralmente? o que vale para lula, para serra, para palocci, para zé dirceu não vale para nós, também? não somos todos atores de uma mesma sociedade?

Daniel Carlos Nava said...

O PT e o PSDB são irmãos siameses (xifópagos, para não ser politicamente incorreto) separados quando bebês. Apenas um foi estudar na Europa e o outro na escola pública brasileira. Mas são farinha do mesmo saco (também não posso falar isso pelo manual do Numerário, digo, Nilmário).
O problema será quando a sociedade assumir a ética torta desses dois.

Cynthia said...

Eu votei em Serra, contra Marta, porque não gostei da atuação dela como prefeita. Fiquei decepcionada, porque ele disse que não deixaria a prefeitura para se candidatar, e eu esperava que ele realmente terminasse o mandato.
Agora estamos na mão do PFL, do "pudê".

Alexandre Carvalho said...

Não entendo por que todos acreditam tanto nele. Rasgou o que ele assinou. E vão acreditar nele de novo? Um absurdo!!! A mídia trata o PSDB com o salvador da lavoura!!! E nós acreditamos.

márcia said...

eba! ;-)

Marcelo said...

São todos "farinha do mesmo saco" mas, antes ele, do que a desequilibrada da Martacha Suplício.

Cabelo said...

Não acho que sejam todos farinha do mesmo saco. Talvez sejam iguais na cara de pau, mas com certeza são diferentes no que se refere a competência. Não dá pra ficar julgando o Serra por ter assinado um compromisso com a prefeitura de São Paulo e largá-lo pelo governo do mesmo estado. O compromisso, na época em que foi assinado, era pra garantir que José Serra não largasse a prefeitura de São Paulo para concorrer ao Governo Federal, que na época das eleições não sofria com os escândalos. Ou seja, foi pra garantir que José Serra não deixasse a prefeitura para uma candidatura suicida contra Lula pela presidência. A situação é completamente diferenta agora. José Serra está deixando a prefeitura porque não corre o menor risco de não ser eleito governador do estado. Na minha opinião é certo o que ele faz, não podemos correr o risco de deixar o estado na mão de Quércia ou qualquer petista que se candidate, seja Marta Suplicy ou Aloízio Mercadante, que já deram mostras da sua competência e caráter como governantes. E gostaria que o Wanderson Ricardo explicasse isso: "Serra, Alkimim, FernaNdo e todos os outros aproveitadores pagarão por suas mentiras. Mais dia, menos dia, o povo verá quem são os verdadeiros estelionatários do eleitor e do país. "Veja" e suas congêneres teão que se explicar. Por fim, evidentemente que José Serra é mais um dos grandes PILANTRAS." Está parecendo aquele velho denuncismo barato que caracterizou a oposição ao governo FHC.

Alessandra Alves said...

cabelo, para mim, o compromisso assumido por josé serra é absolutamente claro (ele fala em "nenhum outro cargo eletivo"). empenhou a palavra, portanto. para mim, é falta de ética.

remetendo ao seu questionamento sobre as palavras do wanderson ricardo, eu sugiro a leitura do seguinte texto:

http://cartamaior.uol.com.br/templates/colunaMostrar.cfm?coluna_id=3021

a grande mídia, por vezes, passa ao largo de importante questões, como essas levantadas pelo autor, e convém dar uma reciclada nos nossos conhecimentos, para não ficar apenas repetindo opiniões cristalizadas por esse jornal ou aquela revista.

Daniel Carlos Nava said...

Diria que o Serra é farinha do mesmo saco, também. Foi ele que quebrou o primeiro princípio do Estado de Direito ao liberar os genéricos mesmo antes da patente cair em domínio público (na maioria dos casos). Hoje isso parece bom, mas vamos ver no futuro quando nenhum laboratório vai investir no Brasil (ou na cura das doenças nativas).
Votarei apenas no Alckmin para tirar o Apedeuta de lá. De resto vou anular.

Cabelo said...

Alessandra, esse artigo eu já havia lido antes e eu não posso conceber como verdade algo que Emir Sader escreve. Eu não levo a sério um homem que diz que o regime "democrático" da Venezuela é benéfico e justo, que Chavez é um grande líder. Não posso levar a sério um homem que tem como herói Fidel Castro, ditador que aprisionou Cuba na década de 50 e que obriga a sua população a viver num racionamento constante de serviços básicos, com o mínimo que um ser humano pode viver. Isso pra não citar a sua declarada simpatia pelos criminosos do MST. E não é o fato de repetir opiniões de um ou outro veículo. É tudo uma questão de escolher aquilo que se lê, seja leitura de apoiantes da situação ou de opositores. Mas esse tipo de denuncismo que pratica o Sr. Emir Sader não me convence, lembre-se de que ele foi um dos primeiros a pedir a cabeça de FHC assim que estourou o dossiê cayman, sem sequer verificar a veracidade do documento, que acabou se provando falso. Mas enfim, quanto ao tema principal, acho que Serra está descumprindo aquilo que prometeu em nome de um bem maior, já que ele é o único candidato tucano com claríssimas condições de vencer os petistas pela disputa do governo. Me incomodaria o fato de José Serra abandonar a prefeitura para disputar a presidência com o Lula, mas sair para lutar pelo estado, a meu ver, foi uma atitude correta, mesmo tendo o candidato assinado um compromisso.

Mario Lago said...

Alessandra, com a devida licença para adentrar a esta parte de seu universo, já que não nos conhecemos, por tendência ao pitaco livre e leve gosto pela polêmica, vou entrar nesse debate sobre a atitude última do então alcaíde José Serra.
Apesar de simpatizante do PSDB, acredito que promessas devam ser cumpridas. Contudo, acredito também que o bem maior deva ser perseguido.
Como nas próximas eleições o escrutínio dos quatro maiores colégios eleitorais do país (SP, MG, RJ e NE)decidirão o pleito, um projeto nacional de partido não poderá deixar de ser absolutamente pragmático. A vitória nos Estados lideres da nação significará a eleição presidencial, pois o que teremos, em suma, será o embate de duas forças antagônicas: o combalido PT, náufrago, vítima de algozes internos e absolutamente arrogante ao pretender nos impor mentira, censura e outros métodos coercitivos da antiga politica stalinista, versus a herança da estabilidade econômica, do efetivo respeito internacional e, mais recente e especificamente, do saneamento das contas públicas dos estados de SP e MG, o que não deve ser ignorado. Acredito eu, sinceramente, que os paulistanos que votaram em José Serra tornarão a fazê-lo, como o fará a maior parte da população do interior paulista. Assim ocorrendo, as chances de termos Geraldo Alckimim no planalto tornam-se efetivas. Acredito, ainda, que o desrespeito do presidente Lula e seus asseclas a nação tenha caráter gravíssimo, que não pode ser comparado, nunca, a quebra de uma promessa de campanha dissociada de qualquer agressão a moralidade no trato da coisa pública. É para o que torço. Valeu!

Alessandra Alves said...

mario lago, quanto prazer em ter tão ilustre debatedor entre nós! (hehehe)

não vou entrar no mérito da guerra santa contra o pt, sobretudo porque não me posiciono nesse tipo de dicotomia, mas confesso que não entendi seu argumento.

por que a candidatura de serra ao governo aumenta as chances de alckmin na presidência? o voto não é vinculado, nada impede que se vote em lula e em serra, que é, aliás, a tendência demonstrada pelas pesquisas mais recentes...

mario lago said...

Oi Alessandra!!!!
Meu raciocínio, em tese, me parecia simples e claro, até debater-me, aqui, com a necessidade de explicá-lo. Mas vou tentar. Apesar de ser possível o voto misto (Lula e Serra), não é o que vislumbram os analistas pelo atual momento político que enfrentamos. Serra em SP, Aécio em MG, família Jereissati no CE, carregam consigo grande quantidade de votos e são, disparado, virtuais vencedores. O PT tem historicamente 30% do eleitorado. Foi a classe média que ao migrar seu voto nas últimas eleições quem elegeu Lula presidente. Mas o voto foi na esperança, e esta não reside mais em sua figura. O PSDB, por seu lado, tem a base de seu eleitorado justamente na classe média, que desta vez, ao que tudo indica, não migrará, pois entramos na fase eleitoral em que mais do que o indice de intenção de voto, vale o de rejeição. Some-se a imperiosidade da coligação vertical, de norte a sul, e as alianças perdidas pelo PT nos últimos tempos a nível nacional, e só lhes restará o terço histórico de votos. Por sua vez, sendo o mote do próximo sufrágio honestidade e competência, temos em Alckimim um perfil correspondente, pois, dentro dos padrões tupiniquins, o cara é sério e realmente um bom gestor. Não é o que a classe média quer? Simples ou simplório tal racíocinio? Bom, se viajei, então viajei........Valeu!!!!!!!!!

Alessandra Alves said...

mario, com todo respeito, pela sua análise, acho que agora, então, só falta combinar com o adversário (hehehe). porque as pesquisas, mesmo com as candidaturas lançadas, não estão refletindo essa transferência de votos.

claro que, iniciada a campanha propriamente dita, com propaganda obrigatória, debates etc., a situação pode mudar.

no entanto, eu acho que vale uma reflexão sobre a imagem de honestidade e competência administrativa de geraldo alckmin. a questão da nossa caixa já apareceu (o filho de alckmin é menos ou mais culpado/envolvido que o filho de lula?), a oposição no estado tem relatado as dezenas de tentativas de cpi abortadas na casa parlamentar (se fhc admitiu, na tv globo, que o governo federal pagou para aprovar a emenda da reeleição, que expediente não pode ter o psdb usado nas esferas municipais?).

agora, cá entre nós, os tucanos têm um problema sério de se lidar, que é o fogo amigo, as disputas internas. sei não, mas não me parece que exista essa força de coesão a que você se referiu. aécio, por exemplo, mira 2010, e tem sido um interlocutor importante do presidente lula. não sei se ele vai botar água no chope do pt, assim como você vislumbra.

Alessandra Alves said...

esferas estaduais, corrigindo.

mario lago said...

Oi Alessandra, boa a páscoa?
Olha, não me leva muito a sério não, foram apenas elucubrações...
Não estou em guerra santa contra o PT, não mesmo. Quase sempre votei em pessoas, não em partidos (Exs: Lula, Suplicy, Genoino e Mercadante), dos quais apenas repetirei, e quero acreditar que sempre, Suplicy (senador). Confesso aqui, que ao votar em Lula contra Serra, me senti traíndo a politica FHC, da qual e de quem sou admirador, as vezes até defensor gratuíto. Já ao ter sido derrotado junto a Lula por Collor, sentia orgulho, ostentando até certa vaidade. Sou assim, um homem comum do povo, mediano, que erra e acerta, e que quando o faz gosta da brisa do vento, contra ou a favor, tanto faz... A segunda nos leva e a primeira nos atrai a liberdade... Mas que apesar dos vestidos vai dar Alckimim, ah! isso vai!!!! Valeu!!!!!!!!!!

Elias Jr. said...

Acho que ele tem que cumprir o mandato até o final, pq se ele não comprir vai tá apenas mostrando que é um sujeito asqueroso que só pensa em fazer carreira tipo Garotinho......

Edu S. SP said...

Olá Alessandra, cheguei ao sue blog pelo blig do Gomes

Discordo de inumeras atitudes do atual governo, mas o que mais irrita é que os tucanos, amparados pela imprensa tendenciosa, se posam de guardioes da moral, acho uma injustiça pois durante os 8 anos tucnos em SP grassaram denuncias e denuncias, jamais apuradas e seuqer contestadas, ja que a pratica do fisiologismo adotada pelos 2 governadores em questão segurava os deuptados aliados na mão
Quanto ao Serra, a mim pelo menos não inspira qualquer confiança, inclusive existem processos correndo contra ele, um deles é de quando era Min. de Desenvolvimento e liberou 205m. para um centro hospitalar que foi orçado posteriormente em 35m., detalhe que foi bancado com fundo de pensão, outro processo é sobre o Proer, onde ele , Parente e Malan foram condenados a devolver 200m. aos erário, pela ajuda ao Economico (do Calmon de Sá) em 1995