Wednesday, November 05, 2008

Black is beautiful




Muito significativo. Histórico. Emocionante.

E duas mulheres, cada qual nessas mesmas posições... quando será?

20 comments:

Aurélio Neto said...

Muito legal.
Na mesma semana dois momentos históricos.
1º negro campeão do mundo de F-1.
1º negro presidente dos EUA.

Felizes de nós que assistimos isso.

4 anos de sucesso ao Obama!
Vice-Campeonatos ao Hamilton em série (vamos lá Massa!!)

Anonymous said...

Só para não deixar passar em branco gostaria de lembrar do titulo de 2007 no Supercross Americano de James "Bubba"Stewart ,talvez o primeiro negro a ser campeão em uma categoria top do esporte a motor.

Quanto as mulheres ,é só uma questão de tempo afinal vcs vão dominar o mundo mesmo.

É bom lembrar também que a ultima vez que apareceu um F1 diferente e foi muito comemorado por todos foi na Willians FW026 de 2004 e foi uma mulher a dona da ideia ,por onde anda Antonia Terzi?

Jonny'O

Érico said...

Certamente será mais fácil ver uma mulher presidente que campeã de F1. O números de meninas/mulheres que tentam uma carreira no automobilismo é ínfimo, é quase impossível extrair/encontrar uma que realmente seja capaz. Quantos pilotos de kart em atividade há no Brasil para cada um de nossos pilotos na F1? Quantas mulheres há em atividade no kart brasileiro?

Anonymous said...

Eu lembro do que Coulthard disse uma vez: nunca haverá uma mulher campeã de F1 simplesmente porque é cultural, homens brincam de carrinhos, meninas de bonecas.
Começa por aí, também passa pelo fato de que homens tem noção de distancia mais acertada, maior vigor físico e mais um monte de coisas que a genética explica.
Acho as mulheres intelectualmente iguais aos homens, cada qual com seus defeitos. Porém, existem limitações para ambos os lados, e corrida de carros é um deles.
Abraço, Lucas

Fábio said...

O mundo está em transformações, esses dois belos fatos apresentam isso. Quanto as mulheres é só esperar mais um pouco, um dia vai chegar, neste último século a evoluçao da mulher na sociedade são fantásticas.

Anonymous said...

Ñ podemos esquecer do Usain bolt q foi o 1º negro a triunfar magistralmente nesse ano...ainda tivemos o Bubba Stewart no motocros(venceus todas as corridas)americano, o Barack nas eleições dos EUA e o Lewis hamilton na F1.

Hugo Becker said...

Talvez demore um pouquinho, ainda... mas não tanto quanto se imagina.

Na Europa e na América do Sul, já tivemos/temos mulheres líderes. Na América do Norte, há uma mulher tão rápida quanto bonita deixando muito marmanjo comendo poeira.

É questão de tempo para a maior liderança do planeta e para a maior categoria de automobilismo do planeta se renderem às mulheres.

Confesso que o mundo ficaria muito mais belo... rs

Degas said...

Ao contrário de muitos, não acho que exista um impedimento genético para as mulheres vencerem corridas de carro. Quem pensa assim que vá fazer um pega com Danica Patrick!
Diferenças existem, evidentemente, mas não apontam clara vantagem para nenhum dos sexos: homens têm mais noção de espaço? Mulheres têm maior capacidade de lidar com múltiplas tarefas. Homens tem mais força? Mulheres são mais atentas aos detalhes. Por aí vai.
Eu, inclusive, defendo que em muitos esportes - notadamente os que não exigem força - não deveria haver separação masculino-feminino. Tiro ao alvo, arco e flecha, hipismo (que já não distingue), automobilismo, snooker, boliche, são exemplos que me ocorrem agora.
E tem mais. Muitas vezes penso que a resistência é masculina, porque os caras temem se ver derrotados por uma dama.
Uma grande bobagem. Eu não ligaria de perder um pega prá Danica Patrick. Ligaria de perder para um primo meu que conseguiu ter sua proposta de seguro automotivo recusada, tal o número de barbeiragens que faz.
Isso, sim, seria uma vergonha.
Valeu!

Smirkoff said...

Não acho difícil ver já em 2009 a Bia Figueiredo como campeã da Indy Lights... e quando sentar num carro de Indy, acho que a Bia vai chegar à primeira vitória bem mais rápido do que a Danica conseguiu.

Há muitas garotas nas categorias-escola e de acesso européias hoje em dia. Alguma delas há de se destacar. E quando acontecer, o Bernie vai fazer de tudo para que ela pilote um F1.

smirkoff said...

Aliás, o dia histórico de hoje lembrou-me do romance de Monteiro Lobato, "O Presidente Negro". Felizmente os tempos mudaram rápido o bastante para não se ter de esperar até 2228 (ano da eleição no livro) para ver fato tão legal acontecer.

Francisco said...

Boa noite Alessandra! Parabéns pela genialidade engajada neste blog. Sou "bicho" por aqui. Descobri seu blog na segunda, por meio dos links relacionados aos blogs da macacada da Warm Up. Soube depois que aquela voz firme, paradoxalmente doce que ouví no domingo ao longo do 37º GP do Brasil de F1 é sua. Parabéns também pelos felizes (e infelizes) comentários. Hoje, ao abrir seu blog para leitura, fui instigado a escrever também sobre o que chamou sua atenção (pelo menos à primeira vista): a cor dos congratulados.
Não se trata de réplica, acho que nem há tanta relação assim, mas gostaria que você lesse, sem se atentar às falhas morfológicas e sintáticas (inclusive às presentes aqui). Sou perfeccionista hahaha, mas domino essa virtude bem, às vezes.
Beijos, parabéns, sucesso, prosperidade, paz e amor para nossos corações, almas e mentes!
Francisco.

Francisco said...

Eu disse "lesse", mas não indiquei o que ler (maldito jogo do Botafogo, desliguei a TV já! haha). A bobagem indicada para leitura está em meu fotolog, que pode ser acessado pelo link junto ao meu nome.

mauro chazanas said...

Alessandra, você sabe, no mundo, e com diferenças ideológicas entre elas, mulheres já chegaram ao posto mais alto da política, já derrubaram esta barreira. Inglaterra, Alemanha, Índia, Israel, Chile, nem sei se estou me esquecendo de alguém, com Margareth Thatcher, Angela Merkel, Indira Gandhi, Golda Meir e principalmente Michelle Bachelet (esta ainda além de presidente foi comandante dos militares do Chile após a ditadura militar, ela lutou pelo lado derrotado em 1973, veja só o tamanho de sua conquista, e de todos estes países o Chile é o que aparenta ter a sociedade mais conservadora, talvez mais que a Índia) fizeram com que a chegada ao poder de uma mulher não seja vista assim como algo inédito. Talvez até esteja me esquecendo de mais alguém. Na Fórmula 1 não entendo a razão de não haver mais corredoras, ou alguma corredora, não entendo inclusive e talvez porque de Fórmula 1 não entendo nada (e te confesso que assisti esta última corrida, quando me lembrei que estava passando e na parte final, motivado apenas pelo teu blog, e fiquei procurando alguma rádio na internet onde você comentasse, deixei na Band FM mas acho que errei de rádio, né?). Já em futebol, minha amiga, te asseguro que eu não troco nenhum jogador do time atual do Santos pela Marta, troco é o time inteiro, a diretoria, boa parte da torcida e uma parte das arquibancadas da Vila Belmiro. Sobre o Obama, você já leu ou viu ou ouviu seu discurso quando saiu o resultado das eleições? Magnífico é a palavra adequada, não perca, é de chorar. Em homenagem a Barack Hussein Obama, duas canções: "Climb Every Mountain", da trilha sonora de "A Noviça Rebelde" e, pra contraponto e avaliar o tamanho da vitória da sociedade norte-americana sobre si mesma, "Strange Fruit", com Billie Holiday. Bom dia pra ti e pra todo mundo, quem sabe possamos ter um bom dia, yes, we can!

Eloisa said...

Felizmente várias mulheres já foram eleitas presidentes/primeira-ministras, mas eu ainda acho que os estados unidos não está preparado para isso.

Ron Groo said...

Sinceramente penso que a cor da pele, no caso de Hamilton não faz diferença alguma. Só o espanto por ele ser negro num esporte caro e elitista? Não existem negros ricos e na elite? Será que as manchetes se abrirão com esta força toda quando um japonês for campeão mundial? E quando for uma mulher?
No caso dos esportes tudo depende da capacidade e do talento. Claro, de oportunidade também mas ai já é outra história.

Já para Obama a cor da pele foi o diferencial sim. Não bastava a capacidade, o talento, o carater dele. Era necessário dobrar um povo históricamente preconceituoso em relação a sua cor. Tanto que o a segregação já foi lei por lá.
Ele venceu. E sobre um branco ariano com a cara mais americana possivel. Ainda por cima heroi de guerra.

Sabe aquela frase do Martin L. King sobre a esperança em que um dia em que os filhos dele fosse julgados pelo conteúdo do caráter e não pela cor da pele?
Parece que este dia chegou.
Postei sobre isto.

Quanto a quando as mulheres estarão nesta situação.
Garanto. Muito antes do que você pensa. lembre-se que Hillary quase chegou lá e que Bernie e Max adorariam ter uma mulher para ser campeã na f1. Quem sabe uma brasileira sobre a qual você também ja postou aqui?

Bourne said...

O Obama não é e nunca foi negro. É, sim, de uma familia mestiça dos EUA. Exatamente por isso que conseguiu chegar a presidência dos EUA, sem esbarrar nos radicalismos dos negros norte-americanos contra os brancos e, ainda, conquistar outras minorias e brancos.

Fabrizio Salina said...

No entanto, Hamilton já fez, Obama tem que fazer ainda. Tomara que consiga contribuir para um mundo mais tolerante, menos belicoso.

Edu said...

Felizmente é mais fácil tolerar as pessoas do que as teorias. É excepcionalmente feliz esse fato, de ser tão difícil aceitar teorias (e ser fácil tolerar as pessoas). As maiores desgraças da humanidade foram causadas por teorias mal formuladas e cegamente aceitas.

Por isso a vaidade sobre a inteligência é tão má. Uma forma simpática de lembrar isso é com aquela estória "O rei está nu". O alfaiate que fez a roupa que só os inteligentes poderiam ver. E todo mundo conseguia ver. Até que um abestado não se conteve. O rei está nu!!!

Eu não vejo nada de significativo nessa história. Estou mais para ver gente jovem, bonita e bronzeada que um fato significativo (olha a provocação!!!). Significativo será se Barack Obama for um bom presidente. Mas o que contará isso será história, não o desejo de hoje. Se ele for incompetente, a história contará que elegeram o presidente pela cor da pele e será apenas mais uma história de racismo para humanidade.

Blog F1-V8 said...

Espero que muito em breve, Alessandra... Ainda seremos mulheres que falarão de mulheres vencedoras nas pistas...

Blog F1-V8 said...

Ah, e completando...
Não existem impedimentos físicos para as mulheres ingressarem no automobilismo... Se fosse por isso, não teríamos pilotas de avião, nem de aviões de guerra, nem astronaustas...

Sinceramente, para uma mulher que suporta 13G em um processo de reentrada na atmosfera terrestre, uma Parabolica é apenas uma pequena cócega, não??