Sunday, September 14, 2008

O futuro chegou



A primeira vitória de Sebastian Vettel na Fórmula 1, hoje, no GP da Itália, foi o prenúncio de uma carreira de títulos e recordes. Não tenho receio em fazer tal afirmação.

Como eu disse na transmissão da Band News/Bandeirantes AM, piloto bom chega "chegando". Nestes quase 25 anos de Fórmula 1, primeiro como espectadora e, depois, como jornalista, vi isso outras vezes. Poucas vezes. Vi Ayrton Senna, Michael Schumacher, Lewis Hamilton. O inglês, diga-se, beneficia-se de ter estreado por uma equipe de ponta. Senna, Schumacher e Vettel vieram do fundo do grid e não tomaram conhecimento dos medalhões.

O bônus de Vettel, sobre Senna e Schumacher, é sua extrema simpatia, sua alegria em correr. Senna e Schumacher, cada um a seu jeito, pareciam soldados carregando o fardo de vencer a qualquer custo. Vettel não parece carregar fardo nenhum. Em sua primeira vitória, expressava apenas felicidade. Nesse aspecto, aproxima-se muito mais de Valentino Rossi.

Para o campeonato, o GP da Itália foi excelente. Hamilton e Felipe Massa à frente, separados apenas por um ponto. Hamilton, comendo adversários impiedosamente na pista de Monza, saltando de 15º na largada para sétimo, no final. Massa, sexto no grid, sexto na chegada, fez o que lhe bastava para se manter vivo na luta. Chegou à frente de Hamilton. Em resumo, e as palavras são dele, pilotou mais uma vez como "um bundão". Vejo a cautela de Massa como sinal de amadurecimento. Sua natureza é a do piloto rápido, pé pesado, arrojado. Pilotar como um bundão deve estar lhe doendo na alma, mas perder o título por afobação certamente doeria mais.

No pódio, ao lado de Vettel, outros dois bundões - Kovalainen e Kubica. Sem espetáculo, sem erro. A Fórmula 1, afinal, já consagrou diversos bundões - Alain Prost como o maior deles. Não é mau negócio, portanto, ter traseiro grande nesse mundo em que é preciso pedir desculpas por quase toda ultrapassagem.

9 comments:

Ron Groo said...

Sintomático.
Quanto mais responsabilidade, mais bundão.
Hamilton não tinha responsabiliade até a largada. Se terminasse onde largou, tanto fazia.
Massa se terminasse abaixo de onde largou jogaria fora pontos preciosos. Logo foi bundão!
Hamiton foi arrojado para melhorar o que era péssimo. Foi um show.
Quanto a Vettel. Maravilhosa vitória. Mas se ontem -sábado- o tempo fosse seco, sem chuva ele não chegaria nem nos pontos. Azar o dos outros pilotos. Choveu na classificação e antes da corrida, então deu Vettel e também foi um show.
Também acho que ele é o futuro da f1.
Alessandra, depois de algum tempo - mais de um ano - mudei de endereço no blog. Gostaria de pedir, se você puder, que atualize meu endereço na sua lista de links:
www.blogdogroo.blogspot.com
obrigado.
Ps. Te enviei um email com um convite, você recebeu?
Brigado de novo.

Ron Groo, que ia passando batido pela melhor piada do dia. said...

Ah...
Bundometro = popometer foi sensacional na transmissão da Rede Bandeirantes.
hehehehe

Degas said...

É impossível ver Hamilton pilotando e não se lembrar de Ayrton Senna!

Êta moleque bom da bexiga da moléstia dos cachorros! Na minha opinião ele é o melhor piloto da atualidade. Acho isso desde o ano passado.

E esse tal de Vettel há algum tempo vinha me chamando a atenção. Será que engoliremos outro Schumacher por anos a fio?

Acho que não. Hamilton não vai deixar!

Quanto a ser "bundão", acho que, para pilotos talentosos como eles, é a lição mais difícil de ser aprendida: a hora de ser bundão.

Alain Prost é o maior exemplo que eu conheço. Ninguém que o tenha visto pilotar diria que ele era lento. Nem que era um piloto limitado. Muito pelo contrário. Alain foi um dos pilotos mais rápidos da história; Jo Ramirez, então chefe de mecânicos da Mclarem, quando perguntado, afirmou que entre os dois - Prost e Senna - o francês era mais rápido.

Um "falso rápido" como dizia Niki Lauda. Parece que ele está andando devagar, porque não frita peus, não sobe nas zebras, não atravessa nas curvas. Mas... veja o cronômetro! O francês era o diabo!

E aprender a reprimir o talento para favorecer o resultado é uma lição disfícil. É contra os instintos. Contra a própria adrenalina de uma disputa. Prost foi um gênio por isso. Como Stewart, Fittipaldi, Lauda.

Portanto ele também era, em muito bom nordestinês, "bom da bexiga da moléstia dos cachorros".

Santè, Alain. Et merci beaucoup! Je vou détestais. Mais Je t'aime aussi.

Véio Gagá - BH said...

Alê, você conseguiu definir o "deja vu" que senti ao ver o pódio com o Vettel. Ele realmente tem a alegria do Valentino.
Quanto ao resto da análise: mais uma vez, excelente! Já me acostumei a ver a TV e ouvir vocês na BandNews. Agora não volto mais ao GB.
Abração!

neder said...

Concordo com o Degas - quem guia "atravessado" dá a impressão de ser mais rápido. O Prost vivia fazendo as melhores voltas da provas. E o Massa está cuidadoso nos circuitos que não lhe são favoráveis. Assim como é bom ver um piloto rápido, também é prazeroso ver alguém usar a inteligência, como fez o Heidfeld em Spa. Também acho que Hamilton é ótimo, uma das nossas grandes alegrias, campeão nato - mas se Kubica tivesse o primeiro posto da McLaren, não perderia o campeonato do ano passado e teria uma margem de pontos maior no de 2008. No equilíbrio de cérebro com braço surgem os Fangios e Schumachers da vida...

niltonhc said...

Foi muito engraçado o seu comentário que o Vettel é mais "bem acabado" que o Schumacher :-D :-D

Bjs.
Nilton

Mandy said...

Poxa, desse jeito parece que o Schumacher é feio pra caramba. Claro, não é nenhum Loeb...mas perto dele, só o Button!

Também concordo contigo a respeito do Kovalainen - foi um bundão (e me dói confessar isso). Mas não sei muito bem com o Kubica, talvez não tenha feito uma corrida sensacional, mas de décimo primeiro para terceiro...

Mas o que mais me marcou mesmo foi o fato de esse ser o pódio mais jovem da F-1! O automobilismo está ficando jovem pra caramba...

bj

Alessandra Alves said...

ron: eu acho mesmo que o "abundamento" do massa é um sinal de amadurecimento. ele está aprendendo a segurar seus impulsos mais primitivos (hehehehe). é claro que a gente gostaria de ver um piloto que fosse sempre arrojado e não errasse, um ultra-rápido que parecesse bundão de tão eficiente. mas isso é como o cometa halley - once in a lifetime. já atualizei seu endereço. vou responder seu e-mail, desculpe pela demora.

em tempo: bundômetro foi ótimo mesmo!

degas: adorei sua observação sobre prost, porque me sinto da mesma forma em relação ao francês. vou te contar um segredinho. em todos esses anos, só pedi autógrafo a dois pilotos da F1 - juan-manuel fangio e alain prost. quando pedi ao prost, senna já tinha morrido e eu percebi que prost era o piloto que amava odiar, ou que odiava amar. seja como for, o fato é que prevalece em mim um sentimento: senna e prost foram às últimas conseqüências, nas pistas, porque se respeitavam. tenho a impressão que um enxergava no outro o modelo a ser vencido. prost talvez almejasse o ímpeto de senna, e senna talvez quisesse a precisão de prost. foi um belíssimo duelo, pena que descambou para um tudo ou nada anti-ético que acabou virando norma na fórmula 1 contemporânea.

neder: tendo a concordar que o kubica seria mais cerebral que o hamilton. na transmissão pela band, em monza, engatinhamos essa discussão - quem é o melhor piloto da fórmula 1 atual? embora esteja bem impressionada com hamilton, eu não cravaria minha aposta nele. porque lhe falta amadurecimento e porque, afinal, ele esteve, até agora, a bordo de um dos quatro melhores carros do grid.

nilton: ah, fala sério! se há uma comparação com o schumacher que o vettel não merece é a da beleza!

mandy: é até injusto chamar o kovalainen de bundão. ele é tão pequeno, parece um adolescente.

Cynthia said...

Vettel não é tão feio como Schumacher, talvez porque seja muito simpático (pelo menos é o que parece).
Prefiro um Massa bundão mas campeão.