Monday, May 26, 2008

O nome da grana

.
Hoje, em seu programa semanal de rádio, o presidente Lula afirmou que a América do Sul caminha para ter uma moeda única. Uma questão: como se chamaria o dinheiro do continente sul-americano?

Eu, que já passei por cruzeiro, cruzado, cruzado novo, cruzeiro (de novo), cruzeiro real e real, sempre acho uma perda de tempo essas trocas de nomes. Sempre achei que o dinheiro no Brasil deveria se chamar simplesmente "pau". Afinal, é assim que nos referimos ao preço das coisas, ou não?

"Quanto você pagou nesse tênis?"

"Duzentos paus".

Pronto, oficializa. E, de quebra, faz uma homenagem à origem do nome do país - Pau-Brasil. Só não sei se o resto do continente ia gostar...

E você, que nome daria para a moeda única da América do Sul?

15 comments:

Grünwald said...

Genial... e é claro que "mil paus" seriam o equivalente a "um barão"!

Smirkoff said...

"Pataca" também seria muito bom, e acho que valeria em espanhol também. E "Gaita" ou "Bufunfa"? Pelo menos para representar quantias maiores que um milhão...
Mas, se for seguida a lógica do Euro, por aqui vai acabar chamando "Sudo"...

Hugo Becker said...

... ou "Suda", certo Smirkoff? "Sudamerica"... hahahaha

Mas, hablando en serio, acho que criar uma moeda única não é a solução mais prática para derrubar barreiras comerciais dentro da América do Sul. Pelo contrário. Nosotros não fazemos por aqui o intercâmbio quase compulsivo que é feito na Europa, até pelos custos mais ou menos padronizados que encontramos por lá.

Além do mais, o Real ainda consegue ser uma moeda forte em comparação ao Dólar e ao Euro, mas a comparação com o Peso Argentino, por exemplo, chega a ser triste. A maioria das moedas sulamericanas é fraca, e levando em consideração que temos uma moeda relativamente forte (Real) para quase 10 moedas fracas (Argentina, Chile, Uruguai etc), a cotação desta tal "moeda única" deverá ser muito baixa, o que prejudicaria a nossa importação e nos tornaria totalmente vulneráveis à todo tipo de exportação - mais do que já somos.

Além do mais, eu não quero o Bolívar ou o Perón na minha carteira!!!

http://mottorhome.blogspot.com

Hugo Becker said...

A propósito, Alessandra, já que estamos falando de "unificação" e "América do Sul", vou aliar esses dois temas ao futebol.

Eu sou da opinião de que seria excelente para o futebol sul-americano a transição livre de jogadores do continente entre um país e outro, como ocorre na Europa, com os "jogadores comunitários". Europeus do Leste são "extra-comunitários", tanto quanto brasileiros, e jogam como estrangeiros - os clubes tem em média um limite de 5 estrangeiros, mas isso varia entre um país e outro. Na Holanda e na Rússia, por exemplo, não há limite de estrangeiros nos clubes.

Não seria uma boa idéia fazer o mesmo por aqui? Argentinos, Chilenos, Paraguaios e "afins" recheando nossos clubes como jogadores comunitários, e vice-versa?

Claro que, se compararmos a Conmebol com a UEFA... enfim, foi só um raciocínio motivado pelo tema.

http://mottorhome.blogspot.com

Degas said...

Olha. Eu acho que a América do Sul tem mostrado muita força, e cada dia mais. Isso é muito bom. O mundo precisa acabar com os guetos de pobreza da América Latina, Ásia e África. Quanto mais rápido melhor.

Agora... chamar a moeda de "pau" não me agradou muito não. Pode ser machismo, ou homofobia. Mas a idéia de batizar a moeda do país com um nome desses me deixou um tanto acabrunhado.

Veja um exemplo: prá conseguir 200 gramas de pão eu teria que dar um pau em troca. Com quantos eu ficaria depois?

Gui barranco said...

Por Deus!!!
Trocar a nossa onça, beija-flor, tartaruga pelo Bolívar, Perón, Chaves, Evo ou Lula na minha carteira???? Deus que me livre...
Ainda bem que é só mais uma idiotice do nosso augusto presidente...

Thiago R. S. Rosa said...

Eu não sei, mas poderia ser qualquer coisa, menos Real. Afinal de contas, não temos mais ligação com a Monarquia e o nosso dinheiro sempre valeu, só nunca foi valorizado igual ao povo brasileiro.

Alessandra Alves said...

grun: exatamente!

smirkoff: gostei de "pataca", que realmente parece ser bilíngue.

hugo: sudo ou suda não dá, muito feio. quanto à prevalência do brasil sobre os demais países, você tem razão. até no ambiente empresarial, o brasil tem sido tratado como algo à parte na américa do sul, por ser muito maior e ter economia muito mais forte que os demais. mas, vem cá, será que justamente por isso não nos caberia liderar este continente? sem um sentido de imperialismo, mas aproveitando nossa força para falar mais alto pelo continente?

sobre o futebol, sim, eu acho uma condição natural esse intercâmbio de jogadores. aliás, sinto muita saudade de carlitos no meu timão...

degas: tá bom, tá bom, aceito seus argumentos sobre o pau...

gui: é, meu amigo tucano, enquanto o brasil continuar de costas para a américa latina, bancando eternamente o caboclo que quer ser inglês, vai ser difícil melhorar nossa vizinhança. ande pelas ruas do brás, do bom retiro e da barra funda e veja a multidão de andinos que habita por lá. é isso que o brasil ganha por não ter feito, até hoje, uma política de integração efetiva com seus vizinhos...

thiago: rapaz, você acertou na mosca. também acho real um nome anacrônico e metido a besta. o melhor nome do dinheiro, na minha opinião (e falando sério, deixando o pau de lado) foi mesmo cruzeiro, mas daí eu acho que os atleticanos não vão concordar! hahahaha

L-A. Pandini said...

Gui, primo dileto, tenho uma péssima notícia para você: nós, brasileiros, somos sul-americanos. Por mais que nossa "elite" cabocla queira ser inglesa, ela será sempre sul-americana. Então, independente da idéia da moeda única do continente (minha sugestão de nome para ela: "sudam"), considero que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez uma política mais do que acertada de incrementar as relações diplomáticas e comerciais com os demais países sul-americanos e até africanos. Pensando em termos capitalistas (que, para algumas pessoas, são mais importantes até que os humanitários), o Brasil ganhou vários novos mercados e não perdeu os do chamado "primeiro mundo" Nossos jornais, revistas e emissoras de rádio e TV tentam "informar" o contrário, mas este é outro capítulo...

Desde meus 13, 14 anos de idade eu tive certeza de que todos os países sul-americanos só teriam a ganhar se unindo, se protegendo, se integrando. Exatamente como faz - ora, veja só - a Europa, o continente-modelo-fetiche de parcela aparentemente bem-pensante da "elite" cabocla.

Morales, Chávez, Correa, Lula, Kirchner e outros cometeram seus erros (não existem governos que só acertam), mas estão absolutamente certos (principalmente os três primeiros) ao exigir um pagamento justo pelas riquezas de seus países. Muitas pessoas desconhecem que a Europa e os Estados Unidos são de "primeiro mundo", em boa parte, porque durante séculos e séculos exploraram o ouro, a prata, a madeira, a borracha, o açúcar, as frutas e outras riquezas dos países latino-americanos. Para isso, usaram a força bruta, dizimando populações inteiras, e contaram com a ajuda dos capatazes políticos locais. Tais capatazes, infelizmente, ainda existem. São apresentados pela "grande mídia" como homens respeitáveis.

Hugo, você tem razão quanto à disparidade das moedas. Mas ela existia na Europa também. Idem as diferenças enormes de desenvolvimento entre os países que passaram a compor a UE. Espanha, Portugal e Grécia eram considerados escória pela Europa "desenvolvida" até coisa de 15, 20 anos atrás. Como eles recuperaram o atraso? Com a ajuda (inclusive financeira) da Alemanha, da França, da Itália e dos demais países ricos.

Quanto às efígies das notas de Sudam, a gente discute depois... Na UE, se não estou enganado, elas não são iguais em todos os países: a face é comum a todos, mas cada país decide o que vai imprimir no verso do "seu" euro, respeitando padrões determinados. Tem algum cidadão aí para esclarecer se estou certo ou errado?

Pensar em um Brasil isolado da América Latina é um equívoco que nossos governantes cometeram durante muitos séculos. Felizmente, algumas mentes lúcidas começaram a reverter isso há coisa de 20, 25 anos. Que esse rumo nunca seja alterado.

FlaviaPM (Fefa-PT) said...

Ale, permita-me intrometer e discordar do Pandini mesmo que parcialmente.
Mas Portugal e Grécia continuam sendo escória da Europa, visto serem os menos desenvolvidos e os que apresentam maiores problemas sociais e econômicos. A Espanha é que se safa por serem espertos e por conseguirem aplicar muito bem o dinheiro da comunidade no seu desenvolvimento.
Voltando à Portugal e Grécia, actualmente, só deixaram de ser assinalados como os últimos da Europa pela entrada dos Países de Leste na comunidade, e olha que mesmo assim, alguns deles, como a República Checa já ameaçam ultrapassar daqui há poucos anos os dois lanterninhas!
Beijocas para os dois.

Celinho Boy said...

Alessandra. complicado dar um nome a moeda(que tal Inca?), mas acho que o nome deveria ser comum a toda região.
O problema, Alessandra, é que a América do Sul tem desde governantes mais moderados a mais radicais. Isso sem falar na richa Colômbia-Venezuela-Equador por causa das Farc. Isso sem falar que o protecionismo ainda prevalece. Como falar em unficação se existe protecionismo?
Beijos Alessandra

bernard n. shull said...

i did a little research after you told me about your "thing", and if you want a way to make more money using your your blog you can enter this site: link. bye.

Ron Groo said...

Bem... para que dinheiro? Vamos todos na america usar cartão corporativo... não seria melho...
É só pra provocar viu? hehehe
Vai assistir o Herbie Hancock? Vai ser legal!

Alessandra Alves said...

flavia: obrigada pelo testemunho de quem vive em terras d´além mar. lembro que minha mãe esteve em portugal há doze anos e ficou impressionada como o país parecia um "canteiro de obras", com o início da injeção de recursos da comunidade européia. acho que leva tempo para mudar o estigma que um povo cultiva sobre outro, né?

celinho: sim, as diferenças existem e não serão eliminadas. mas acho que, a exemplo da união européia, a américa do sul poderia tentar unir esforços para se beneficiar mais na atual economia globalizada.

ron: quanto veneno! hehehehe quanto ao herbie hancock, vou não. sou bem devagar para eventos desse tipo, sei lá por que. se você for, me conta?

Edu said...

Moeda única na américa latina? Só se fosse em pirulitos... Aí ao menos sobraria uma coisa doce para colocar na boca.