Wednesday, November 21, 2007

Cem anos de inquietação

.
O centenário do arquiteto Oscar Niemeyer, no GPTotal? O que tem a ver a prancheta com o túnel de vento? Vai lá, descobre... Depois me conta o que achou.

7 comments:

Herik said...

Adorei o texto. O mais interessante são as relações que você estabelece entre assuntos aparentemente inconciliáveis.
Mas faço um pequena observação. No texto você cita Cooper como quem teve a sacada de passar o motor para a frente do carro. Foi o contrário. Ele idealizou e fez a mudança do motor dianteiro para traseiro.
Abração para você.

Alessandra Alves said...

herik: é verdade, troquei as bolas, mas já está corrigido. obrigada!

Anonymous said...

Bravo,bravo !!!
Adorei a coluna!!
Quando estive em Brasilia andando pelo Eixo Monumental tive a impressão de estar andando dentro de uma obra de arte ,Oscar Niemeyer é unico,ele pensou em tudo ,até aproveitou a pequena ondulação dessa avenida ,você vai caminhando por ela e de uma a uma vai surgindo no horizonte suas obras ,é fantastico ,e finalmente quando se atravessa a rodoviaria eis que surge aquela visão inconfundivel da praça dos três poderes e seus edifícios monumentais !
Na F1 realmente já se foi o tempo em que se podia colocar em um desenho de um carro aquele toque pessoal do projetista ,era muito claro as caracteristicas dos traços de um Mauro Forghieri ,Derek Garner ,Gordon Murray e Colin Chapman .
Mas ainda ,analizando um F1 de hoje é impossivél não reconhecer que a base aerodinamica pertence a duas cabeças ,Adrian Newey e Bory Byrne ,a suspensão diantira ainda é poushrod ,ideia de Derek Gardner no Tyrrell 007 de 1974, a posição em que é colocada os amortecedores
,ou seja ,em cima do cockpit foi ideia do Tony Southgate no Osella-Alfa Romeu de 1983 .
Acredito ainda que a longo prazo uma dessas bases possam ser mudadas ,mas será preciso da genialidade de um projetista para isso ,e basta um lapis e uma folha de papel.

Jonny'O

Luiza Prestes Karam said...

Descobri seu blog por acaso. Adorei! E gostei muito de seu texto sobre Niemeyer.

Alessandra Alves said...

jonny´o: e você acredita que eu não conheço brasília? preciso ir um dia desses.

luiza: seja bem vinda!

Ron Groo said...

A frase que você citou esta escrita numa das paredes do Detran-SP que ele também desenhou... Penso eu que ele só encontra gênio igual em Le Corbusier... Porém que sei eu de arquitetura?
Texto de arrasar, de novo.
Desculpe a ausência. Tava doente e com meu filho com caxumba... Mas tá tudo bacana de novo... As letras! Com força e vontade!

Alessandra Alves said...

ron: eu não sabia onde estava escrita esta frase, obrigada pela informação. eu também não entendo quase nada de arquitetura, mas dá para sacar que o homem é mesmo um gênio. obrigada pelas palavras sobre o texto. e fico feliz em saber que está tudo bem com seu rebento. filho doente é a pior doença, né?