Thursday, February 22, 2007

Pirambu

A possibilidade de o Corinthians ser desclassificado da Copa do Brasil por um time chamado Pirambu não é o problema em si. O Palmeiras já caiu diante do ASA de Arapiraca e não morreu por isso. O ASA, que ao lado da Inter de Limeira e do Manchester United ganhou um lugarzinho especial no meu coração alvi-negro, além de tudo encerra minhas iniciais - Alessandra de Souza Alves. Sou ASA, de fato, talvez por isso voe tanto, tanto devaneio.

Pirambu não é ruim por definição. Ruins são os trocadilhos - pirambeira, o mais óbvio - e todas as referências desagradáveis que se seguem a palavras terminadas em "u". Dããããã...

É um time de Sergipe, o elenco inteiro, incluindo o técnico, custa aos cofres do clube a soma de R$ 50 mil. Que deve ser o quê? Um Wilson, um Wellington? Valente Pirambu, ele não é o problema.

Vislumbro daqui alguns anos, eu olhando por cima dos ombros da minha velhice, e recordando o Pirambu. Naquele ponto do futuro, Pirambu será apenas uma foto na parede, mas como vai doer. Não por ser Pirambu, talvez pelo Saci. É atacante do Pirambu, o Saci, que também não é intrinsecamente ruim (um ser mitológico que atazana a vida da Cuca merece respeito).

O ruim no Saci, de novo, são as piadas que enseja. Saci pulou na área do Corinthians, Saci errou o gol porque não chutou com a perna boa. Saci tem perna boa? Dããããã...

Nem Pirambu, nem Saci. A foto que dói é esse time desconjuntado, um ajuntado de gente que eventualmente - alguns - jogam bola. Um catadão de homens paradoxais, fortes e desafiadores a um tempo, estirados no chão, cara de choro, no tempo seguinte.

Problema não é Pirambu, coisa-ruinzinha não é o Saci. Olhe para si, Corinthians.

9 comments:

Anonymous said...

Não adianta Alessandra,este ano vou ficar na maior torcida pelo Massa,pois além de ser Corinthiano sou Ferrarista desde 1976 ,ano alias que chorei muito assistindo a um certo jogo pela televisao no Beira Rio,no ano seguinte foi oposto ,gozado essa relação de meu amor pelo Corinthians e pela Ferrari ,nestes anos todos quando um estava por baixo o outro muitas vezes estava em boa forma,como foi nos anos 80 ,quando a Ferrari entrou em uma decada perdida ,mas o Timão estava lá,vencendo varios cameonatos paulistas até o titulo Brasileiro de 90.
Portanto meu sistematico coração esteve quase sempre carregado de belas emoções.
Assim deixo este ano o Corinthians para meu filho acompanhar e eu cuido da F1.
Em tempo ,o moleque tá jogando um bolão!

Jonny'O

Cynthia said...

Tá difícil ver o timão assim... Desse jeito vai ser quase impossível fazer com que as crianças torçam para o Corinthians... Daqui a uns anos, se nada acontecer, a gente é que vai ser o Pirambu de alguém.

Gabriel Izar said...

Deixei de ser corinthiano no dia em que o Kia e seus dólares lavados bototaram o pé no Parque São Jorge, e de lá pra cá não vi ainda motivos para rever esta posição.

Não gosto do Leão como técnico, não gosto do Dualibi como presidente, aliás não gosto da diretoria do clube que o entregou para um esquema de lavagem de dinheiro, não gosto do time atual, não gostava do time argentino, não gostei nem vibrei com as vitórias da era Kia, enfim, atualmente nada no Corinthians me agrada. E como não vejo a menor possibilidade do time se profissionalizar e tornar-se sério acho que também não voltarei a torcer pelo timinho do Parque São Jorge.

Ano passado torci pelo rebaixamento, achava que talvez assim houvesse vontade política dentro do clube para mudanças mas infelizmente o Corinthians escapou, mas ainda não me entreguei, o clube já está a 4 partidas sem vitórias e pra virar uma longa série de derrotas não deve tardar... Quem sabe esse ano a gente não consegue o rebaixamento ?

Valeria said...

Ai,ai,ai. Chorar é o que nos resta. O Gabriel tá certo, torcer pro Corinthians na era Kia é dificil.
O Corinthians precisa se profissionalizar com urgência. Já está atrasado pelo menos 10 anos nisso.
Não gosto do técnico Leão, nem do time. Não gosto da diretoria e não gostei do contrato do time com o Kia. Além de abusivo, nos coloca inteiramente na mão de um grupo que só quer faturar. Se compra um jogador bom é apenas para que ele seja visto e possa ser revendido. O time que se exploda. Isso é triste, e péssimo. Qual jogador se esforça numa situação dessas?
E, por incrível q pareça tb torci pro rebaixamento. O meu medo é q se o time for rebaixado não consiga voltar.
Tenho sentido falta da velha "garra" corintiana nessa era Kia. Faz falta jogadores q amem o time. E isso só se consegue com um clube profissionalizado.
Ou alguém duvida q o sucesso do SPFC seja devido a isso? Por mais q eu não goste de admitir, eles só conseguem o que conseguem pq se profissionalizaram a tempos, tem uma estrutura sólida, que dá segurança aos jogadores de que os bons serão reconhecidos.

Joana said...

preciso de você nesse post! passa lá quando puder! beijocas!

Alessandra Alves said...

gente, desculpem a falta de tempo para responder as mensagens. agradeço a todos e mais tarde eu volto (com um desânimo incomum para falar de futebol...)

beijocas!

andre kenji said...

Depois da expulsão de Tévez, que vinha de um time com uma carreira MUITO maior que o Corinthians, passei a torcer ferozmente contra o time do metrô de Itaquera.

Anonymous said...

Ae pelo que falou no jornal hoje o Vilavelhense (aqui do Espírito Santo) se passar pelo 13 de Campina Grande enfrenta o vencedor de Pirambu ou Corinthians.

Boa sorte a todos

Felipe Atch

Alexander said...

Alessandra,

já não se fazem mais times com nomes de jogadores de futebol tão bons. O time dos meus sonhos de todos os tempos teria uma zaga formada por Reco-Reco, Bolão e Azeitona. Eu compraria Saci do Pirambu, junto com o goleiro Alan, que a mídia passaria a chamar de Cabra. Da peste.