Friday, January 18, 2008

Do mestre, com carinho



Há alguns anos, depois de ler o livro "Noites Tropicais", espécie de auto-biografia do jornalista, letrista, crítico e produtor musical Nelson Motta, tive uma atitude ousada. Escrevi para meu mestre e amigo Zuza Homem de Mello e perguntei se ele não gostaria de ditar suas memórias de crítico, produtor e historiador musical para mim. Foi mais que ousadia, um atrevimento. Mas, para quem já havia escrito para o Zuza aos treze anos, enviando a ele um roteiro de programa de rádio, não havia risco a ser calculado. Ainda mais porque, naquele já distante 1983, ousado foi ele, que colocou meu programa no ar. Essa história, inteira, está aqui.

A resposta do Zuza à minha instigação veio com a lógica esperada, revestida de toda a elegância que sempre o acompanhou. Disse que ficava agradecido, mas que não tinha como aceitar, pois ele mesmo escrevia livros, sendo autor de vários títulos já publicados, que eu aliás havia lido. E disse mais: que já tinha começado a escrever suas memórias e que me avisaria sobre o lançamento. Assim falou, assim o fez. Em setembro, fui encontrá-lo na noite de autógrafos do livro "Música nas Veias", que aconteceu na Livraria Cultura, no Conjunto Nacional.

No e-mail que escreveu para mim, meses antes do lançamento, Zuza adiantava o teor de um dos capítulos - sua experiência como apresentador do "Programa do Zuza", atração diária da rádio Jovem Pan que influenciou diretamente minha escolha profissional. Fiquei ansiosa para ler esta passagem, e mais ainda quando, durante o lançamento, Zuza me chamou a atenção para o fato de que eu estava citada no livro. Eu, no livro de memórias de Zuza Homem de Mello, que troféu!

Li o capítulo 5 - "O poder da voz" - assim que cheguei em casa, emocionada por relembrar aqueles dez anos de programa, que acompanhei como ouvinte desde os sete anos de idade e que começava com a seguinte vinheta: "Aí vem o Zuza, um programa para quem tem música nas veias". E feliz, orgulhosa mesmo, pela menção ao meu nome, pela dedicatória tão carinhosa que o mestre escreveu para mim.



Mas a vida é tão corrida que só consegui ler o livro inteiro no final do ano. Zuza intercala passagens de sua própria vida como estudante de música, produtor musical, radialista e crítico de música com estudos de fôlego sobre temas pouco abordados na literatura brasileira dedicada à música. Um dos capítulos mais impressionantes é "Aceita dançar?", uma radiografia minuciosa de todas as principais orquestras de baile do Brasil desde o início do século 20. Zuza iniciou a pesquisa para este ensaio ainda na década de 1970 e chegou ao requinte de listar todos - todos! - os músicos que fizeram parte desses grupos.

Entre os ensaios, o que me tocou mais de perto foi "Swing Heil!", um encantador retrato da Berlim pré-Segunda Guerra, com a influência fortíssima de músicos de jazz no cenário sócio-cultural da cosmopolita cidade, e de como a perseguição a negros e judeus minou essa efervescência musical.

Não nego, no entanto, minha preferência pelos capítulos dedicados às memórias do Mestre Zuza. Suas aventuras na Nova York dos anos 1950, sua diligência no contato com estrelas musicais de vários países, atrações da TV Record nos anos 1960, sua maneira coloquial e fluida de contar histórias.

Para quem tem música nas veias, um documento obrigatório. Só é pena que, pelas páginas do livro, não seja possível ler as histórias e ouvir a marca registrada do Zuza radialista que tanta companhia me fez na infância e na adolescência: sua contagiante gargalhada.

Ao terminar "Música nas veias", uma imensa vontade de agradecer ao Mestre, que mais uma vez, generosamente, veio me ensinar um pouco de seu enorme conhecimento musical.

4 comments:

Luiza said...

Fiquei curiosa sobre o livro. Eu só conheci o Zuza por intermédio de uma entrevista da grande Elis dada a ele. Vou procurar o livro aqui em Curitiba.

Ron Groo said...

Agradeceu bem! Se bem que um mimo destes - ser citada no livro de memórias de um ídolo - não existe um agradecimento que esteja a altura né? Vou por este na minha lista do 'eu-mesmo-noel- deste ano. O capitlo "swing heil' despertou minha curiosidade.
Ah, postei sobre Chico Buarque...

Alessandra Alves said...

luiza: ele foi muito próximo da elis, de fato. você se lembra de qual entrevista foi essa?

ron: ficou parecendo propaganda daquele cartão de crédito - não tem preço!

Luiza said...

Acho que foi a última entrevista que ela deu a ele.