Saturday, October 14, 2006

Tom que era Pelé

Em "O futebol", de 1989, Chico Buarque diz:

"Para estufar este filó
Como eu sonhei, só se eu fosse o rei
Para criar efeito igual
ao jogador, qual compositor"

Ou seja, para ser tão bom compositor como Pelé foi jogador, Chico diz que não bastaria ser ele, haveria de ser "o rei". Seria Roberto Carlos?

Em "Paratodos", de 1993, Chico parece dar a resposta:

"O meu pai era paulista,
meu avô pernambucano
O meu bisavô mineiro,
meu tataravô baiano
Meu maestro soberano
foi Antônio Brasileiro"

Antônio Carlos Brasileiro de Almeida Jobim. Antônio Carlos Jobim. Tom Jobim. Tendo sido seu maestro soberano, Tom parece ser o Pelé da música que Chico almejou ser.

Será?

Estou me esforçando nessa coisa de detetive...

21 comments:

Alessandra Alves said...

das inúmeras canções que citam pelé, uma me causa certo desconforto. é "meio de campo", de gilberto gil:

"e eu não sou pelé, nem nada,
se muito for eu sou um tostão
(fazer um gol nessa partida
não é fácil meu irmão)"

coitado do tostão!

mas, se tom é mesmo pelé, gil envergaria com honra a camisa de tostão. e chico, quem seria nesse time? rivelino? eu acho pouco...

Herik said...

E o Cartola? Não entra nessa seleção?

Sim

"Sim,
Deve haver o perdão
Para mim
Senão nem sei qual será
O meu fim

Para ter uma companheira
Até promessas fiz
Consegui um grande amor
Mas eu não fui feliz
E com raiva para os céus
Os braços levantei
Blasfemei
Hoje todos são contra mim

Todos erram neste mundo
Não há exceção
Quando voltam a realidade
Conseguem perdão
Porque é que eu Senhor
Que errei pela vez primeira
Passo tantos dissabores
E luto contra a humanidade inteira"

Não sei não, mas o Cartola não fica devendo nada para ninguém. E olha que quem está falando é um fã incondicional do Chico Buarque.
Que sabe o Cartola não seria o Leonidas, o Diamante Negro!?

Alessandra Alves said...

herik, que bom! você embarcou: vamos montar a seleção dos nossos onze mais? quem começa?

Alessandra Alves said...

então, tá, eu começo. minha seleção de onze compositores:

noel rosa, ary barroso, dorival caymmi,cartola e tom jobim; gilberto gil, milton nascimento, chico buarque e caetano veloso; rita lee e nando reis.

o banco de reservas pode ter mais onze?

Herik said...

Nossa! Que seleção! Vou pensar um pouco para montar a minha seleção, até porque eu não tenho que atender interesses de Nike - ou Sony e outras gravadoras -, mas sim para a minha consciência.

Mauro Chazanas said...

Bem, para o gol, Dorival Caymmi, que passa segurança pro time inteiro.
Na lateral direita, Caetano Veloso, que é bem direitoso mas às vezes cai pela esquerda.
O zagueiro central é o Cazuza, que não alisa, mas "bate" com classe.
O quarto zagueiro é o Gonzaguinha, que sempre foi bom de cabeça.
O lateral esquerdo é o Geraldo Vandré, por motivos óbvios.
No meio de campo vou de Luiz Gonzaga, Noel Rosa, Gilberto Gil e o camisa 10 é o Chico Buarque.
Pra fazer tabelinha lá na frente, Aldir Blanc e Chico César.
No banco ficam Tom Jobim, Ary Barroso, Cartola, Milton Nascimento e Elomar. Ah, no banco ficam também os bancários e os clientes (hehehehe, ótima essa!).
Técnico: Wagner Tiso. Preparador físico: Egberto Gismonti. Massagista: Hermeto Paschoal.
Chefes da torcida organizada: Ná Ozzetti e Monica Salmaso.

"É canja, é canja, é canja de galinha! Arruma outro time pra ganhar da nossa linha!"

Herik said...

Grande time Mauro. Só faço uma observação quanto ao Vandré. Há muito ele abandonou a esquerda. Acho até que ele sempre jogou muito pela diagonal.
Bom, o meu time é esse:
Goleiro: Cartola - Assim como aconteceu com Barbosa, só depois de morto que passou realmente a ser respeitado.
Lat. Direito: Tom Jobim - Sabe como é... Copacabana, Leblon, beleza do Rio de Janeiro. Coisa de direita que assiste muito novela "Páginas da Vida".
Zagueiros: Cazuza e Renato Russo - Não deixam passar nada. E se bobearem, partem para o ataque e bombardeiam o adversário.
Lat. Esquerda: Paulinho Moska - Sangue novo para ocupar a lateral. Nada de arrumar meião durante a partida.
Meio campo: Chico Buarque, Renato Teixeira, Paulinho da Viola e Gilberto Gil - Meio que sabe cadenciar a partida e proporcionar momentos mágicos e inesperados.
Ataque: Vander Lee e Djavan - Sangue novo de um mineiro com a resistência e senso de posicionamento de um nordestino.

Sei que depois vou lembrar de um monte de compositores como Elomar, Geraldo Azevedo e outros que teriam lugar na seleção. Mas não há lugar para todos.

Achei também muito interessante lembrar as meninas Nah Ozetti e Mônica Salmaso. Vou até aproveitar para puxar a brasa para a minha sardinha mineira. Que tal Amaranto, Patrícia Ahmaral, Ana Cristhina... Fica a sugestão.
Abração.

Pedro Alexandre Sanches said...

viiiixe, essa dúvida só o próprio chico poderia tirar, hein?...

quanto à escalação do "paratodos" dele, é meio "paralguns" demais pro meu gosto, hihihi... não menciona um maldito, um "ídolo caído", uma não-obviedade... se bem que adoro, pelo inesperado das citações e pelo inusitado dos encadeamentos, as equipes reunidas nos versos "salve edu, bituca, nara/ gal, bethânia, rita, clara" e "viva erasmo, ben, roberto/ gil e hermeto"...

aliás, outra que só seu buarque poderia responder: por que será que ele excluiu elis dessa listagem "parapoucos"?...

Gustavo Alves said...

Brou,

Adoro música, mas confesso que prefiro os masi jovens que você escalou. Na verdade são os vivos da sua lista e os que morreram a pouco.
Concordo com o Mauro que colocou o Cazuza. Acho suas músicas a tradução completa da turbulência emocional que ele vivia.

Quanto ao POST anterior, você esqueceu um detalhe fundamental. Os outros ovos que a Rita botou foram fruto do romance com o Zico.
Sim, ele existiu.
A nossa criatividade não era das melhores. Ou ficamos tão chocados com a mudança de sexo que preferimos testar a masculinidade do nome Zico.

Alessandra Alves said...

mauro: por que as mulheres só entram na torcida, na sua seleção? que preconceito! justo você, que gosta tanto da calcanhoto...

herik: concordo com sua colocação sobre o vandré. eu não colocaria o homem na minha seleção. apenas por disparada? não. muito menos na lateral esquerda. adorei seu veneninho sobre arrumar o meião na cobrança da falta!

pedro: quem sabe, um dia, você não tira essa dúvida com o carioca? eu acho que você foi maldosinho quando chamou a letra de parapoucos! sim, é a panelinha dele, a patota festivais-exílio-censura-polygran-anos 70-chico&caetano dos 80, mas ele não deixou de ser diplomático ao dizer "todos os instrumentistas" e terminar com "evoé, jovens à vista".

agora, bem lembrada a elis, né? eu também ficava pensando nisso, por que não ela? consta que eles tiveram poucos contatos pessoais e que nunca rolou intimidade. costumam colocar a culpa na timidez de ambos, mas acho que simplesmente nunca rolou empatia entre eles.

gustavo: não entendi nada sobre o zico! eram dois passarinhos, então?! meu deus, minha memória me traiu?!

h said...

Bom dia companheiros.
A parceria em Chico e Elis não foi tão produtiva. As razões somente investigando com as pessoas que conviveram com eles. Mas isso não impede que especulemos.
O primeiro encontro entre os dois foi um horror. Elis ficou uma arara porque simplesmente Chico "travou nas quatro". Ficou caladão. Isso vi num programa da Tv Cultura.
Abração a todos.

Herik said...

O h é de Herik. Foi mal.

Zeca said...

Vai ser difícil bater estas seleções aí de cima, mas lá vai a minha, que joga em 4-3-3 e no ataque, como antigamente:
goleiro: Paulinho da Viola, sereno e seguro, altamente confiável, sem sustos na zaga.
lateral-direito: Maestro Moacir Santos, que não é um só, mas tantos, elemento surpresa com seus arranjos caindo pela direita.
beque-central: Tim Maia, o síndico, como xerife prá botar respeito.
4o-zagueiro: Milton Nascimento, tranquilidade, elegância, segurança.
lateral-esquerdo: Gilberto Gil, grande inteligência, talento e habilidade. Sempre chega ao ataque e decide partidas.
cabeça-de-área: João Gilberto, sutileza e toques refinados na saída de jogo.
meia-direita: Chico Buarque, gênio, estilo inconfundível como Didi. Não é o Rei, mas costuma estufar o filó como ele.
meia-esquerda: Tom Jobim, meu Pelé, joga com a 10.
ponta-direita: Djavan, pontinha siscador, habilidoso e imprevisível. Como Mané.
centro-avante: Jorge Benjor, inspiração, emoção, explosão e gol. Humildade e classe, com sua malícia e sua raça.
ponta-esquerda: Tereza Cristina. Leveza e estilo, joga sempre prá cima. Sangue novo e futebol de gente grande, parece veterana. Como Robinho.

Técnico: Vinícius de Moraes, sabedoria na orientação da equipe. Até porque com todo o uísque fica difícil jogar, não é mesmo?

Grande abraço a todos, Zeca

Paulo de Tarso said...

Essa seleção do Zeca, não sei se é a melhor, mas com certeza é a mais engraçada. Justificou cada posição com argumentos irrefutáveis. Demais! Não vou arriscar a minha, depois dessa. Valeu!

Gustavo Alves said...

Brou,

Sim, o primeiro ovo saiu do Zico Imaculado. que obviamente não era Zico. E não podia ser imaculada.
Aí, papai comprou um Zico autêntico, para perpetuar a espécie.
Mas a Rita, que era Zico antes, sofria de depressão pós-parto, e sempre matava a ninhada de ziquinhos e ritinhas.
Capisci?

Mauro Chazanas said...

Elizeth Cardoso, Maysa, Adriana Calcanhoto, Rosinha de Valença, Dona Ivone Lara, Clementina de Jesus, Rita Lee, Elis Regina, Dolores Duran, Nana Caymmi, Ná Ozzetti (again), Monica Salmaso (again and again), Aracy de Almeida, Inezita Barroso, Nara Leão.
Alessandra, voce escala. Não me arrisco a sequer chegar perto da comissão técnica pra dar palpite, que eu não quero apanhar.
A relações públicas é a Maria Bethania (ai, podem brigar comigo se quiserem, mas que nunca foi cantora, sempre foi atriz. A Simone sequer isso, mas no basquete, quanta diferença!)que na entrevista coletiva declara:
"Drama...e ao fim de cada ato, limpo num pano de prato as mãos sujas do sangue das canções".
Gal Costa é dúvida de vestiário.
Chefes da torcida: Emílio Santiago e Edu Lobo.

"Passou, passou, passou um avião, e nele estava escrito que esse time é campeão!"
(não tinha jeito de arrumar uma rima pra "campeâ". Vou ficar gritando que lá no céu passou uma rã? uma coisa sã? ou chã? Veja que não foi machismo, Alessandra, é a vida. Ah, vida é uma palavra feminina, iupiiiii, salvei minha reputação!)

Mauro Chazanas said...

Oi, rapidinho. Herik, voce poderia por favor dar alguns nomes de canções da Patricia Amaral, Ana Cristina e Amaranto? Estou vasculhando a internet pra "baixar", pois quero seguir tua dica, mas com esses nomes não estou achando nada. Talvez pelos títulos das canções eu consiga. Obrigado mesmo. Abraço.
Direito de resposta: gente, foram muitas e muitas canções do Vandré que marcaram época, foi só "Disparada" não. Tudo bem que ele destrambelhou, mas pelo menos por vinte minutos ele pode envergar a camisa do nosso time. Que aliás eu proponho ser branca, calções brancos, idem os meiões, e a sede pode ser em Santos e, ahn...
Deixa pra lá.
Alessandra, voce escolhe o uniforme.

Herik said...

Olá Mauro.
Vou tentar te ajudar.
O Amaranto você procura no site www.amaranto.com.br. Lá há uma pequena rádio com algumas das música do trio.
Patrícia Ahmaral (é assim que se escreve mesmo. Coisa de artista)no site http://www.entrecantos.com/patricia.htm.
Já a Ana Cristina... não achei nada.
Infelizmente acho que músicas para baixar na internet você não encontrará. Já tentei com programas como Kazaa e nada.
Espero ter ajudado.
Grande abraço.

Mauro Chazanas said...

Herik, muito obrigado. Nossa, esse Amaranto é muuuuuuuuito bom. Até o site é bom. Flávia, Lúcia e Marina, né? Muito bom.
Herik, obrigado mesmo.
Alessandra, cometi um crime. Por esquecimento. A Cássia Eller é a titular do meu time, é a técnica, é a patrocinadora, Cássia Eller é a goleira e a centroavante, a camisa dez e a cinco também! Ela joga onde quiser.
E é a capitã.
Isto posto, bom dia pra todas e todos.
Herik, abração e muito obrigado, novamente.

Alessandra Alves said...

mauro e herik: tô tão orgulhosa dessa troca de informações e dicas entre vocês! muito legal ver o blog criando essa comunidade. ainda não pude ir atrás dessas dicas do herik, mas já estou feliz com a interação que pintou por aqui.

mauro: a cássia também joga no meu time. ela, na tabelinha com o nando reis, é um dupla de ataque sensacional. só que a seleção era pra ser de compositores, né?

Herik said...

Que bom que você gostou, Mauro. Você também, Alessandra.
Realmente o Amaranto é bom demais. Ao vivo então... Fui a um espetáculo delas em um teatro aqui em BH no qual não foi usado qualquer microfone. Só voz e alguéns poucos instrumentos. Foi a coisa mais linda que já vi.
Não sei se vc, Mauro, é de São Paulo. A Alessandra sei que sim. Portanto, dê uma olhada que o Amaranto já está batendo asas para fora de BH. Já fizeram até um show aí em São Paulo. Recomendo.
Grande abraço a todos e fiquem com Deus.