Wednesday, September 20, 2006

Um cockpit para Gandhi

Já está no ar a coluna "Um cockpit para Gandhi", no GPTotal. Achou estranho? Vá lá e entenda.

17 comments:

Carolina de Souza Oliveira said...

Ola. Meu nome é Carolina de Souza Oliveira sou aluna de jornalismo na Universidade Católica de Santos. Estamos fazendo uma reportagem sobre blogs jornalísticos e gostaria de saber se é possível você me responder algumas questões.

1- Como surgiu a idéia de você fazer um blog jornalístico?
2- Você acredita que no blog você possa tem a oportunidade de expor sua opinião, já que em muitos veículos isso não é possível?
3- Qual matéria que você colocou no ar que mais fez sucesso?
4- Sobre o que você mais gosta de escrever para o blog?
5- Quanto tempo tem seu blog?
6- Pra você, qual a importância dos blogs jornalísticos?

Se você tiver mais alguma coisa a acrescentar fique a vontade
Ficaria grata pela entrevista

Obrigada

Carolina de Souza Oliveira
carol200486@terra.com.br

Carolina de Souza Oliveira said...

Ola. Meu nome é Carolina de Souza Oliveira sou aluna de jornalismo na Universidade Católica de Santos. Estamos fazendo uma reportagem sobre blogs jornalísticos e gostaria de saber se é possível você me responder algumas questões.

1- Como surgiu a idéia de você fazer um blog jornalístico?
2- Você acredita que no blog você possa tem a oportunidade de expor sua opinião, já que em muitos veículos isso não é possível?
3- Qual matéria que você colocou no ar que mais fez sucesso?
4- Sobre o que você mais gosta de escrever para o blog?
5- Quanto tempo tem seu blog?
6- Pra você, qual a importância dos blogs jornalísticos?

Se você tiver mais alguma coisa a acrescentar fique a vontade
Ficaria grata pela entrevista

Obrigada

Carolina de Souza Oliveira
carol200486@terra.com.br

Cynthia said...

Tia Ale - vc nao é loura nem aqui, nem na Índia...
Também fico contente quando vejo que as pessoas ainda se indignam com trapaças, sujeiras, por mais que o mundo por aí pareça nao se importar mais com isso.
Um beijo

Herik. said...

Mais um texto magnífico. Parabéns.

Gustavo M. said...

hihihihi...Alessandra, sobrinha entregando o ouro?...tudo bem, o texto está maravilhoso como sempre.

Sim, as pessoas esquecem que a violência pode mudar de face com o passar do tempo, escravidão, mulheres subordinadas pela violência velada do olhar austero - e não menos perigoso - dos maridos, e mais um monte de situaçãos....sim, temos sequestro, bala perdida, mas temos mais qualidade e expectativa de via apesar da poluição e outras misérias que vem a reboque. Vamos lembrar dos períodos medievais então, onde cerca de 90% da população apenas sobrevivia nas piores condições possíveis. Observando os instrumentos de tortura daquela época, os castigos aplicados aos inimigos, dá quase para pensar que a humanidade se "humanizou" com o passar do tempo...ledo engano, os bons e os maus sentimentos continuam perenes, apenas modificam-se em virtude da própria dinâmica do mundo que caminha. O mesmo podemos pensar sobre falhas de cárater e atitudes pouco éticas em relação ao esporte; hoje elas estão nas salas de nossas casas, diante da tela, ao vivo como comentaste...mas, essa "facilidade" de julgamento pode também levar a escrever e comentar algo sobre alguém que nem ao menos conhecemos, como o Schumacher. Fácil julgá-lo, mas dífil decifrar alguém de quem nem apertamos a mão. São os dois lados da moeda!

Sim, a discussão de melhor piloto do mundo é totalmente estéril, quem sabe aquele tio nosso, da colônia de Palmira (tudo hipotético claro!), em certa ocasião, à bordo de seu flamante corcel GT, voltando de um baile, antecipou em 30 metros - em derrapagem controlada - a tangência de uma curva de piso de saibro? Fez algo que talvez um Schuma não faria nas mesmas condições, e que o próprio "tio" nunca mais fará....somos 6 bilhões de pessoas, cada uma com milhares de pensamentos e sensações por dia...e, com habilidades distintas também. Claro que a discussão é sobre pilotos de verdade e que passaram pelo circo, mas, em um breve exercício de pensamento, veremos que as comparações são inúteis...

Abraço!

Alessandra Alves said...

carol: vou te responder no e-mail, OK?

cy: desafio você a provar que não sou loira!!!

herik: obrigada!

gustavo m.: penso quase como você, só acho que a humanidade evoluiu, sim. vamos muito devagar, engatinhando, mas afinal o que é a história da humanidade perto da história do universo? o que é essa aventura terrestre perto do grande trabalho que começou milhões de anos antes? temos tempo, muito tempo à frente, ainda. e só para esclarecer: a cynthia não é minha sobrinha. os filhos dela é que são!

Wallace Michel said...

A qualidade principal dos seus textos Alessandra, é que eles não tentam impor nem manipular as situações que envolvem os acontecimentos.

Pena que muita “revista especializada” ache que o leitor não raciocina direito (tirando lógico, aqueles doentes que são fanáticos por determinado piloto que tentam se aproveitar de determinados fatos para inventar rótulos para pilotos e equipes).

Obrigado por respeitar a inteligência do leitor e por abrir discussões que sejam realmente pertinentes para nós aficionados.

Está na hora de acabar com esse falso moralismo que impera em parte da imprensa que cobre a F-1.

Anonymous said...

Oi Alessandra,
As pessoas não entendem que vc costuma pintar a raiz do cabelo....mas que vc é loira...isso é, com certeza.Ahahha.
Bom o texto, mas confesso que depois de Nelson Piquet, me desencantei com F1.
Claro que o Shumacher é um baita piloto,
mas a concorrencia não ajudou muito.
Quando o adversário era bom, não tinha máquina.É mais ou menos como o Zagalo,
tem méritos? Sim.Mas nasceu....virado prá lua.O próprio Airton Sena, não era nada ético. bj grande,

C.Miguel

Valéria said...

Alessandra, loira e baixinha? Pela foto que vi, no lançamento de um livro, vc não tem nada de baixinha,rss.

Menina, o Shummacher não foi santo. Nem o Senna, nem o Prost, nem o Piquet , nem o Emerson, nem o Barrichelo, nem o Massa, nem o Alonso, o Kimi, ou qualquer outro piloto de F1.

Na verdade creio que os campeões, os grandes campeões, foram todos pilotos que fizeram o que tinham de fazer naquele momento. Nem sempre suas atitudes foram éticas ou tiveram a esportividade que queríamos. Na verdade se agissem com tanta esportividade não seriam os campeões que foram. Pra vencer tantas vezes como eles venceram é preciso querer vencer, ficar p. da vida quando perde, e não aceitar derrotas de forma alguma.

Quem não lembra do campeonato do Senna conquistado aos 30 segundos do GP do Japão, quando ele deliberadamente bateu no Prost? Qual a ética desse comportamento?

Ainda bem que não temos os vídeos das corridas do Fangio, pois veríamos que ele também fazia o que precisava fazer pra conseguir a vitória.

Esses pilotos lutavam pela vitória, que era o que interessava a eles, e às suas equipes.

A única coisa que lamento é o fato de que Shummacher nunca teve um concorrente á altura. Ao contrário do Senna que disputou durante anos com Prost, de igual pra igual, o alemão nunca teve um competidor em igualdade de condições. O que foi péssimo pra categoria e funcionou como um sonífero poderoso pra quem assite pela TV.

beijos

Gustavo Alves said...

Brou,

Nem genótipo nem fenótipo de loura. Olha que o nariz cresce!!

Concordo contigo. Convivência acontece com os defeitos e com as qualidades.

Anonymous said...

Grande Wallace Michel ,
Acho que de vez em quando nos esbarramos nos blogs por ai(acho que é lá no Rodrigo Mattar?),concordo de A a Z com seu comentario.
Jonny'O

Alessandra Alves said...

wallace michel: obrigada! lá no gptotal, nós sempre procuramos enxergar o automobilismo como ele é - um esporte, não uma religião. e os pilotos como eles são - esportistas, não redentores da falta de auto-estima de uma povo...

carlos miguel: você já reparou que a sorte costuma ser mais favorável aos competentes? sei lá...

valéria: sou tão baixinha que meu irmão diz que não tenho altura, tenho horário (1,56 = 1:56!!!).

pois é, você lembrou fatos ocorridos com ayrton senna que mostram como, muitas vezes, usamos dois pesos e duas medidas para julgar. quando é nosso herói que pratica, é legítima de defesa. quando é o vilão, é sacanagem. ai, ai...

agora, só para dar uma provocadinha. eu também considero um saco a falta de disputa na fórmula 1, nos anos schumacher, mas vamos olhar a coisa por outro ângulo? será que ele não teve concorrente à altura ou será que ele sempre esteve acima de todos? se não tivesse schumacher, as disputas teriam sido animadas? será que isso não pode ser um indício de que ele destoava do resto por ser acima da média? quem sabe?

gustavo: protesto, protesto!!! ninguém vai tirar meu direito de ser loira! é só olhar para minha/nossa mãe. qual a cor do cabelo dela?

jonny´o: é isso aí. nossa comunidade vai se esbarrando pela web afora. :)

Anonymous said...

Menina Alessandra,
Na decada de 30,no auge do "The Golden Era" a equipe mercedes então comandada pelo todo poderoso Alfred Neubauer tinha dois pilotos de primeira linha ,Rudolf Caracciola e o italiano Luigi Fagioli, sempre que o italiano estava na frente ,era obrigado a dar passagem ao alemão por ordem de Neubauer, e as brigas entre o chefão da mercedes e Fagioli eram famosas.
Em 1936 o terceiro piloto do time (na epoca tinha-se 3 a 4 carros nas crridas)Manfred von Brauchitsch liderava um GP com certa facilidade e Caracciola era o segundo, não demorou para que Neubauer ordenasse para Brauchitsch diminuir o ritmo para dar passagem ao companheiro.Contrariando a tudo e a todos Brauchitsch continuou seu ritmo alucinante e proximo do final da corrida Caracciloa teve que abandonar a prova por problemas mecanicos, aí é que veio uma cena que ficou pra historia .
Uma ou duas voltas pro final ,Brauchitsch reduziu sua velocidade em frente aos boxes e apontou para Neubauer lhe mostrando a "lingua" e depois voltou a acelerar para vancer!
Só contei essa historia porque hoje em dia quando os Jornalistas expecializados fazem suas listas dos maiores pilotos de todos os tempos ,Caracciola sempre é citado.
Nada na vida é doce como num conto de fadas!
Jonny'O

Valeria said...

Alê, não é por nada não, mas eu chego mais cedo, à 1:54,rss.
Acho q vou adotar essa do horário hehehe.

Valéria said...

Oi Alessandra, muito raro eu fazer o que vou fazer agora. Se quiser dar uma passada no meu blog fique à vontade. É raro colocar coisas lá escritas por mim, mas hoje tem.
Bjks

Ops: http://caminharpelavida.blog.terra.com.br/

Wallace Michel said...

Grande Jonny'O,

Sou eu mesmo. Por favor, mande as repostas daqueles questionários sobre a Indy que você passou naquele blog. Até hoje não sei as respostas certas! Rsrsrs

Um grande abraço para você.

Speed Arosi (Anselmo) said...

Cara Alessandra
O seu pensamento reflete o que todos que pensam e vivem nesse mundo, seja da F1, seja do mundo comum, da política, do trabalho, etc...
O bom disso é saber que podemos compartilhar tudo isso nesse mundo novo, chamado virtual e as oportunidades que ele nos dá de se conhecer na real, tipo Farnel do #96.
Abraços, e continue nessa linha, pois são poucos os jornalistas que escrevem sem relatar simplesmente