Wednesday, September 06, 2006

A cerimônia do adeus

No ar, minha mais nova coluna no GPTotal, falando sobre a aposentadoria (ou não) de Michael Schumacher. Vê lá, vai!

12 comments:

Anonymous said...

Perfeito Alessandra !
Como sempre muito bem desenvolvida a idéia, e bem lembrado as passagens das despedidas anteriores.
Quando você falou em Mike Hawthorn ,na hora me lembrei de sua famosa frase quando ao conquistar o titulo e logo após anunciar sua retirada disse:
"Por que você abandonou as corridas?"é uma pergunta tão boa quanto "Por que você não abandona as corridas?"(Mike Hawthorn)

Jonny'O

Wallace Michel said...

Alessandra atrevo-me a dizer que esse foi o seu melhor texto no GP Total. Essa sua fase sensível está fazendo um bem danado aos seus textos. Quando isso acontece, é a prova da chegada de mais uma fase da vida: a do esclarecimento.

Esclareça com sensibilidade sempre, pois a gente também vai junto contigo nessa jornada. O valor de viver é recordar as coisas boas que acontecem em nossa volta, com uma lembrança no peito pela felicidade vivida e não pela felicidade perdida, que poderia ter sido, mas não foi.

Um grande feriado para você com muita paz e tranqüilidade.

Isafan Silva said...

Boa tarde Alessandra, como sempre, um texto primoroso, senti um pouco de melancolia tambem, pois eu aos 49 anos e depois de acompanhar a carreira do Grande Campeão Michael Schumacher sinto uma tristeza de ver o final de carreira de um piloto que foi referencia pro meu filho, que desde 1991,quando ele tinha apenas 6 anos, acompanha e torce por Schumacher e o tem por idolo inclusive sendo influenciando pela personalidade e tenacidade do alemão, o transformando em garoto guerreiro e determinado e sendo hj um vencedor na profissão com 21 anos.
Sou um felizardo por ter assistido uma trajetoria épica de um modelo de esforço, combatividade e amor pelo que faz, como foi a carreira do Schumacão (como diz meu ídolo Nelson Piquet). A Formula 1 nunca mais será a mesma após o ocaso de MICHAEL SCHUMACHER.
Um abraço e obrigado pelos seus otimos textos
Isafan Silva - RS

israel peniza said...

olá alessandra, ta muito bom o texto,como sempre, sabe as vezes fico pensando, sobre o alemão ( bem impessoal rsrs) , ele é com certeza o maior ploto de todos os tempos, só falta o carisma para ser mais admirado, coisa que o senna tinha de sobra, mas vou te confessa um sentimento que tenho a cada vitória, a cada recorde que bate: estão roubando o senna , fica pa min a sensação que se o senna estive ali tudo seria diferente , mas infelizmente não está foi-se o hoemn, ficou o mito . parabéns!

israel peniza said...

olá alessandra, ta muito bom o texto,como sempre, sabe as vezes fico pensando, sobre o alemão ( bem impessoal rsrs) , ele é com certeza o maior ploto de todos os tempos, só falta o carisma para ser mais admirado, coisa que o senna tinha de sobra, mas vou te confessa um sentimento que tenho a cada vitória, a cada recorde que bate: estão roubando o senna , fica pa min a sensação que se o senna estive ali tudo seria diferente , mas infelizmente não está foi-se o hoemn, ficou o mito . parabéns!

Jefferson Reinholds said...

Alessandra...

Já há algum tempo eu sou seu fã. Sempre é um prazer ler um texto seu. Só que desta vez você me tirou o chão: sentei aqui para escrever alguma coisa sobre a aposentadoria do Michael. Porém, antes, entrei no GPTotal e vi que tinha um novo texto seu. Aí, ai, ai, ai!!! Você acabou comigo! O que escrever depois de tudo o que você escreveu? Resultado: fiz uma introdução (explicação) no meu site e mandei os meus leitores diretamente para a tua coluna. Excelente trabalho! Parabéns!

Mas também tenho algo para te perguntar: como você escreveu, Schumacher está em plena forma. Pode, com certeza, estar cansado "mentalmente", depois de tantos anos. Mas se Fangio, naquela época muito mais dura e complicada (falo da falta dos recursos tecnologicos de hoje) conseguiu tudo depois dos 40 anos, você acha que hoje poderia existir vaga para um "tiozão" (tipo Schumacher hoje) estrear na categoria e levar vitórias e títulos?

Abraços.

Alessandra Alves said...

jonny´o: hawthorn foi quase shakesperiano nessa, não? ser ou não ser. mas é uma tremenda ironia o cara deixar as pistas e morrer um mês depois, de acidente de rua, né?

wallace: muito obrigada pelas palavras. fico feliz e lisonjeada por exercer esse papel e, de verdade, espero estar sempre a altura dessa instigação tão positiva. concordo inteiramente com você sobre o valor das recordações. para mim, tudo valeu a pena. o que foi e o que não foi, sempre. talvez esse seja, como você citou, um sinal de amadurecimento, quando sabemos extrair o lado positivo de tudo o que nos aconteceu.

isafan: que belo testemunho! imagino como essa retirada do campeão soa como fechamento de ciclo, para você. ainda mais quando temos os filhos como referência! é interessante você afirmar o exemplo de schumacher como estímulo à obstinação do seu filho, porque muita gente só consegue enxergar o alemão pelo lado mais obscuro de sua personalidade, pela vontade desmedida de vencer. mas não é uma inegável influência, essa da obstinação? tenho certeza de que, somada a outros exemplos, a começar pela convivência familiar, ela foi capaz de temperar o caráter do seu filho.

israel: eu confesso que também tive esse sentimento de "senna roubado" durante alguns anos. mas, hoje, senna teria 46 anos, estaria aposentado há muito tempo... mas concordo inteiramente com você sobre a questão do carisma, que falta ao alemão, como aliás ficou evidente no fato relatado na minha coluna "revelação germânica", lá no gptotal. obrigada!

jefferson: puxa, obrigada! agradeço pelas palavras e pelo link, confesso que até corei agora! quanto à sua pergunta, ela remete a algo que considero um grande paradoxo. ao mesmo tempo em que o mundo contemporâneo cultua de forma cada vez mais acintosa a juventude e a beleza, possibilitando e quase exigindo que todos nos mantenhamos jovens e belos em qualquer idade, por outro lado também preconiza que as crianças e os jovens exerçam cada vez mais cedo certos papéis que antes cabiam aos adultos. as crianças aprendem outros idiomas na mais tenra idade, os jovens querem seus próprios celulares, contas bancárias e vidas sexuais ativas antes de concluírem o ensino médio. essa antecipação de funções leva a situações esdrúxulas, como de meninas de 12 ou 13 anos tentando carreiras de modelos. nessa mesma lógica, um jovem que queira se aventurar no automobilismo tem que começar a correr de kart na infância, porque se chegar à Europa com mais de vinte anos, corre o risco de já estar "velho".

se pensarmos na condição física de esportistas como schumacher, eles têm total condição de exercer suas funções, pois têm excelente preparo físico, alimentam-se adequadamente, usam suplementos alimentares etc. só que o apelo à juventude me parece inexorável hoje e dificilmente a estrutura da fórmula 1 absorveria um quarentão estreante. agora, é ou não é um paradoxo? o cara é jovem aos 37 anos, com um vigor físico invejável, e ao mesmo tempo é velho!

Gustavo Alves said...

Brou,

Vou misturar um pouco aqui as idéias, porque não tive tempo de postar nenhum comentário no texto do Agassi e agora vai tudo de uma vez.

O choro e as emoções para os homens, podem acontecer se o homem ligar o foda-se. Foda-se o que os outros vão pensar de mim. Acho que isto ajuda muito na felicidade e na auto-estima.

As palavras e o discurso são partes que o público espera de um ídolo/guerreiro/vencedor. Corou o momento. E pareceu muito verdadeiro. De alguém que sempre teve boa fama.

O virar da página do Schumacher pode acontecer agora ou não, como vocÊ disse. Eu o considero muito como um grande esportista, independente da questão de ser ou não um "Dick Vigarista". Mas de forma alguma isto deveria ofuscar o brilho da sua despedida ou final da carreira.

Como a vida é para frente, nos preparamos para a ascensão. Acho que por este motivo que as mudanças da vida para pior trazem mais tristeza do que alegria.

Anonymous said...

Ironia mesmo,mas a grande diferença daquela epoca p/ hoje é justamente a frase do Hawthorn,existia duas variaveis reais ,correr ou não.
Entre 57 a 59 a Ferrari perderia 4 pilotos em acidentes, Eugenio Castellotti,Luigi Musso,Peter Collins e Jean Behra.
Acho que hoje aquela frase talvez não faça muito sentido.

Anonymous said...

Esqueci de identificar de novo!

Jonny'O

Cristiano Pontes Dias said...

Ja vai tarde.
Claro que a Formula 1 vai ter mais graça,o MUTTLEY vai poder correr solto.
Se alguem tem direito de ser arrogante é o Alonso que apesar de ter um carro bom faz por merecer e seu companheiro que nao influi em nada pra sua ajuda ao contrario de alguns.
COM DIZ O SABIO GALVAO BUENO:
FAZ PARTE DO NEGOCIO DEIXAR GANHAR.
FAZ parte o cacete entao ia correr de SUPER AGURI.

Anonymous said...

Não consigo entrar no GPtotal socorro!!!

felipe Atch