Monday, August 03, 2009

Papai, eu quero



Achei que a demissão de Nelson Angelo Piquet não aconteceria ainda neste ano. O clima já era tão ruim há tanto tempo entre ele e o chefe, Flavio Briatore, que considerei indiferente a data da saída. Agora ou no final do ano parecia o menos importante. No entanto, saiu depois do GP da Hungria, vencido por uma cláusula que lhe obrigava a ter pelo menos 40% dos pontos do companheiro Fernando Alonso.

Nelsinho preferiu ele mesmo anunciar a demissão, antecipando-se ao anúncio da Renault. Aliás, essa lavada de honra - anunciar antes de ser demitido publicamente - também ficou parecendo cena orquestrada. Depois de muito discutir com Briatore, Piquet-pai deve ter batido o martelo pela última vez. "Tudo bem, ele sai, mas nós é que vamos divulgar." Ao que Briatore deve ter respondido com um grunhido de desprezo, erguendo-se da cadeira e movendo-se com aquele andar pastoso de quem empurra a protuberância abdominal sem pressa.

Depois do affair Alonso x Hamilton, nenhum piloto tem o direito de se iludir em obter condições iguais estando ao lado do espanhol. Alonso é um piloto extraordinário, dos poucos que fazem a diferença e conseguem eventualmente andar mais que o próprio carro. Mas é também egocêntrico e sabe exigir o melhor para si. Nelsinho e Nelsão deveriam saber. Claro, não era de se jogar fora uma oportunidade na Renault, mas não era de se esperar o mesmo tratamento dispensado a Alonso. E, mesmo com carros diferentes, parece indefensável uma sova de 27 a 1 pró-Alonso (considerando as 28 participações dos dois pilotos em treinos classificatórios nas temporadas de 2008 e 2009).

Há alguns dias, pelo Twitter, Nelsinho soltou o nome Piquet F1, acendendo no mundo afora a boataria em torno de uma equipe comandada por seu papy. O sério repórter Livio Oricchio, do Estadão, cravou que a equipe sai dos boatos para a vaga deixada pela BMW. O assessor de imprensa de Piquet pôs panos quentes e disse que não é bem assim. Eu sigo o faro do Livio, por vários motivos, a começar por sua já citada seriedade e longuíssima experiência na cobertura da categoria.

Observando um pouco mais de longe, vejo outros motivos que devem contribuir para Piquet associar-se ao clube dos donos de equipe. Certa vez, no aeroporto de Congonhas, Piquet-pai falou a um grupo de jornalistas, entre eles, esta veterana que vos escreve. Em dado momento da conversa, questionado sobre alguma decisão de Max Mosley, Nelsão interrompeu o repórter e disse: "O Mosley não manda nada. A Fórmula 1 é do Bernie", decretou. Bernie, seu ex-patrão na Brabham por sete temporadas, enfim percebeu que não pode confiar nas grandes montadoras, que vão progressivamente abandonando a categoria ao sabor dos números no vermelho que têm apresentado a seus acionistas.

Para manter a Fórmula 1, Bernie precisa de gente em que possa confiar. Gente do ramo, não CEOs de empresas globais que podem surfar com segurança em termos como shareholders e balanced scorecards, mas não sabem a diferença entre downforce e understeer. Precisa de gente como Piquet. O arranjo pelo qual o tricampeão entraria no negócio ainda parece nebuloso. Mas o fato de já ter gerenciado equipes de kart, Fórmula 3 e GP2, e de ser um legítimo garagista, que até dormia em garagem no começo da carreira, mais que o credencia para a tarefa.

À primeira vista, a solução caseira soa como mais uma tutela paterna a Nelsinho. As equipes criadas pelo pai, afinal, nada mais foram que instrumentos para o filho ter boas condições nas categorias que disputou. Vai reforçar a imagem de menino superprotegido, mas Nelsinho pode estar menos preocupado com isso do que eu. E Nelsão, afinal, pode até ganhar dinheiro na história. O capricho do filho, vai saber?, pode virar um bom negócio para o pai. A conferir.

11 comments:

Willian said...

Alessandra, vou pela mesma linha de raciocínio que você: acredito que pode pintar uma equipe própria sim.
Duvido que o Livio Oricchio plantaria uma informação dessas se não fosse verdade.
Acredito que possa pintar em breve, no máximo em alguns meses, a confirmação da nova equipe.

Ron Groo said...

Confesso que depois da resposta de Nelson Pai para o jornalista Fabio Mota ontem me deixou com sérias dúvidas sobre se ele compraria ou não uma equipe de F1.

Você deve ter lido e então não vou reproduzir, mesmo sendo engraçado é escatologico...

Eu ainda acho que o Nelson filho deva ter algum talento sim, mas não sou daqueles que acham que ele só foi sacaneado por Britore e o chiliquento asturiano.

A sacanagem maior foi assinar o contrato leonino que dava ao metrosexual espanhol um F1 enquanto ao menino sobrava no máximo um Sandero...

Mas uma coisa me deixou feliz, ele não foi passivo e encruado como outro piloto conhecido que aguentava tudo calado e só ameaçava contar as coisas um dia.

Ponto pro birrento mimado, e se tiver que vir uma Piqyet F1, saudemos. Vai no mínimo ser bem melhor que a Forti Corse.

Anonymous said...

Seria excelente que a Piquet Sports ascendesse à F1, ou, ao menos, que Piquet pai integrasse uma equipe de F1. Não só em relação ao Nélson Ângelo, mas valioso para qualquer piloto brasileiro: os europeus fecharam o cerco, e os brasileiros tendem mesmo a fazer papel secundário nas equipes. Nelsinho é um bom piloto, mas que depende de muita dedicação, e, diante de tal característica, foi muito prejudicado tanto pelo ano que apenas foi piloto de testes, quanto às restrições a treinos na categoria máxima. De resto, basta ver que Alonso exigiu que seu segundo piloto não fosse o Kovalainen (com alguma experiência e então já integrado à equipe): ou seja, o espanhol se cercou de tudo, para não ser novamente peitado pelo companheiro de time, e poder reinar soberano. Nelsinho tem de praticar, seja voltando prá GP2 imediatamente, seja indo correr (também já) na FIndy. Caso contrário, coçando até o final do ano, não vai conseguir nada ano que vem, nem em uma equipe do pai. Bom ele é, fenômeno não. Mas pode chegar lá, e tem de dar a cara prá bater (lembrem-se que o Glock correu na Indy e depois voltou prá GP2, depois de sua primeira e frustrada participação na Um, e, hoje, está firme na categoria). Abraço a todos (e desculpa ter escrito tanto, como se fosse sócio do blogue...rs... nem "tô pagandooo" rs rs rs

Flávio

Alisson said...

Alessandra, a tempos eu leio seu blog. Seus textos são muito bem elaborados.
Parabéns!

Alisson said...

Alessandra, a tempos eu leio seu blog. Seus textos são muito bem elaborados.
Parabéns!

Eduardo said...

Gostei e concordo com cada letrinha do texto. Muito inteligente, bem elaborado.

foca said...

óia, sou fãzão do piquet (pai)desde cedinho, não perdi uma corrida e tenho certeza que faria um bem enorme pra F1 a presença do cara por lá. se acontecer, espero que a imprensa em geral não o trate como trataram emerson/coopersucar e em menor escala o jp diniz, afinal, não é bolinho fazer uma equipe em categorias top dar certo, mas temos bons exemplos como um ross brawn ou até melhor, o caso do gil de ferran na alms. quanto ao menino piquet, acho que a maior sacanagem do publico é achar que as equipes que ele correu e que eram do papi eram tããão melhores que as outras, a ponto de ser fácil peitar o hamilton como fez na gp2. tô muito errado??
bueno, gostei do teu blog, vou mostrar pra minha esposa que tem um tremendo pé pesado. falei pesado, não gordo...
até!

p.s.: quando puder visite meu blog, desde já vai ser um prazer.
www.focacruz.wordpress.com

Marcus Mayer said...

Alessandra, que satisfação vir aqui e ler mais um de seus ótimos textos!

Tomara mesmo que dê certo e que as especulações se transformem em realidade. Acredito plenamente na competência de uma equipe dirigida por Nelson Piquet.

Abraços.

Marcus Mayer said...

Olá, Alessandra!

Gostaria de convidá-la para uma leitura. Única vez na qual ofereceu a honra de sua visita, você se referiu a eventuais diferenças ideológicas. Acredito, porém, termos mais afinidades. Quando tiver um tempinho, registre uma opinião sobre um ou outro tópico do artigo “Um convite à liberdade”, no qual apresentamos pontos de vista relacionados ao aborto, à união civil entre pessoas do mesmo sexo, drogas, armas de fogo, filantropia etc. Tenho a leve impressão de que vai gostar do que verá, considerado o perfil que apresenta aqui no blog.

Abraços.

José Roberto said...

gostei do seu blog....vou virar leitor assiduo...

Ylan Marcel said...

Esses adultescentes... rsrs