Tuesday, March 07, 2006

As sete porcarias da corrida a pé

Muito já se falou sobre as sete maravilhas da corrida a pé. Como entusiasta deste que é o mais simples e democrático dos esportes, concordo com todas elas. Sinto-me tão bem correndo, depois de correr e com a perspectiva de correr que, desconfio, o número deve ser bem maior que sete. E, como todo atleta amador que se preze, acabei mordida pelo bicho da competição e tenho feito corridas desde 2002. Adoro, de verdade, mas sempre penso que a vida é feita de compensações. Para compensar tudo de bom que a corrida me traz, tenho de agüentar alguns aspectos desagradáveis.
No último domingo, 5 de março, corri a prova de abertura do circuito da Corpore (Corredores Paulistas Reunidos), na Cidade Universitária. Ótimo evento, dez mil participantes estimados, duas provas simultâneas (5 e 12 km - corri a de 12). Durante o percurso, fiquei atentando para aquilo que eu chamo "As sete porcarias da corrida a pé". Porque enaltecer já virou lugar comum. Em ordem crescente de pentelhação, aí vai minha relação:

7º lugar - Eleanor Rigby
É impressionante a capacidade do paulistano de se meter em congestionamento, mesmo que seja um domingo, às 7h da manhã. O trânsito estava parado antes de entrar na Cidade Universitária. Lá dentro, quarenta minutos para estacionar. O frisson da largada chegando e o desespero batendo. Não tivemos dúvida: largamos o carro na avenida da Raia, no meio da avenida! Tudo bem, um prende o outro, mas todo mundo sai mais ou menos ao mesmo tempo, impera a camaradagem. Mas, sozinha no meu carro, olhava ao redor e via a maioria dos carros também assim, com um único ocupante. Caramba! Será que não tinha ninguém que mora perto de mim e que poderia ter ido de carro comigo? Se todo mundo pensasse - e agisse - assim (eu incluída), teríamos a metade dos carros lá! Olhava ao redor e só lembrava de uma música dos Beatles, que tem tocado muito lá em casa, ultimamente: "Ah, look at all the lonely people...".

6º lugar - Hum, que cheirinho...
Correr no meio de um monte de gente é uma experiência riquíssima em termos de cheiros. No começo, antes da largada, impera o odor de desodorante, com toques do detestável aroma de cânfora, que alguns passam para evitar contusões. Ao longo da corrida, valha-me Deus! Começa a mistureba de perfume, que exala com o suor, cânfora, toques adocicados, advindos de isotônicos e suplementos de carboidrato, e o indefectível cheio de corpo (suor, cecê, catinga, budum - escolha seu termo preferido). Como é impossível prender a respiração, agüente!

5º lugar - Que a força esteja com você!
Eu sei que a intenção é das melhores, mas tenho ímpetos de esganar aquele pessoal da organização da prova, que se posta nas laterais e fica bradando palavras de incentivo a quem está correndo. Fala sério: onde esse pessoal fez curso de estimulação à superação de desafios? Deve ter sido assistindo à série completa do Karatê Kid. "Vamos lá, pessoal!", "Não pára agora, não!". Sempre tenho vontade de falar: "Puxa, obrigada. Se você não me lembrasse de que tenho que correr, era capaz de eu esquecer que ainda faltam cinco quilômetros!"

4º lugar - Cuidado, pista escorregadia
É o mal de correr onde passa carro. Manchas de óleo podem virar ameaças terríveis quando cai uma agüinha. Trechos mal pavimentados são outro perigo constante. Fora olhos de gato e outras armadilhas. Uma vez, correndo na Rubem Berta, durante uma prova, vi um senhor se esborrachar depois de tropeçar num olho de gato. Chocante.

3º lugar - Planeta Água
Sim, precisamos de água, mas os postos de água são um momento de tensão quase indescritível apra mim. Primeiro porque o povo começa a cruzar na sua frente, como se não houvesse amanhã! O problema todo é a atitude dos corredores, que algumas vezes parecem correr como se estivessem sozinhos no mundo. Bebem água, jogam na cabeça e atiram o copo para o lado, à meia altura. Já fui alvejada diversas vezes por esses artefatos! O povo precisa aprender: só joga para o lado se estiver na lateral da pista, e joga alto, porque pode estar vindo alguém para ultrapassar. Caso contrário, simplesmente deixe o copinho cair, junto ao seu corpo!

2º lugar - O que você está fazendo aqui?
Provas simultâneas, como essa de domingo, costumam trazer esse problema: mistura de gente rápida com gente muito lenta. Eu apóio entusiasticamente a criação de provas mais curtas, como as de 5 km, como forma de incentivar novos praticantes, mas pelo amor de Deus, façamos largadas separadas! Pessoas que estão começando a correr são naturalmente mais lentas. E eventualmente correm em grupos, como forma de um incentivar o outro. Sentiu o drama? Mais lento e em grupo: da largada ao final, vão tagarelando, tecendo comentários sobre a prova ou falando da vida, como se estivessem no parque. Nessa prova de domingo, peguei tantos grupos assim, nos três primeiros quilômetros, que fiz esses trechos em marcas acima de 6 min/km, o que prejudicou muito meu tempo final.

1º lugar - Pipi-room
Não poderia ser diferente: o primeiro lugar no concurso das porcarias das corridas a pé vai para... os banheiros químicos! Se existe mesmo o inferno, o umbral ou qualquer outro termo correlato, ele deve ser parecido com um banheiro químico. Todas as sensações de desconforto que um ser humano pode sentir parecem condensadas nessa verdadeira instituição dos grandes eventos públicos. É sujo, abafado, claustrofóbico, desconfortável, cheira mal. Depois de pegar uma fila enorme para usá-lo, encontramos o recanto cheio de papéis fétidos, eventualmente molhado e, claro, com a descarga emperrada. Uma das minhas grandes satisfações, ao fazer provas "menores", como as do Clube Espéria, é poder usar o banheiro de verdade do lugar. Para ver como a vida é feita de pequenas alegrias.

Mas que ninguém se engane: estarei na próxima corrida, a postos, doidinha para bater meu melhor tempo! Quem não veio, venha comigo: as sete porcarias são nada perto das dezenas de maravilhas da corrida a pé!

5 comments:

márcia said...

uia! os 10km de agosto no centro de sp que me aguardem! yes!!!!!

adorei alê, conta aquela coisa do chipizinho que põe pra saber o tempo! fantástico...

G.Brou said...

Embora eu só tenho ido uma vez, eu concordo totalmente.

Só faço uma defesa sobre o problema da multidão de solitários: o problema não é chegar na prova junto com outras pessoas. O problema é outro FIDIDO entrar no seu carro! Ai que nojo!!

Alessandra Alves said...

márcia: você está doidinha para começar a correr, né?! olha, eu temo que você vá se decepcionar com o chip. é um trocinho de plástico que a gente tem que amarrar no tênis (já inventaram até o porta-chip, uma tornozeleira em que você encaixa o bichinho, mas eu tô fora. quanto menos coisa pendurar em mim, melhor). esse chip registra a sua passagem nos tapetes magnéticos, geralmente na largada e na chegada. eventualmente, há um no meio do percurso. a função dele é a seguinte: em corridas com milhares de competidores, como essa de domingo, entre os primeiros que largam, e os últimos, há vários minutos de diferença. enquanto o pelotão de elite está lá na frente, mandando ver nos sprints, a maioria está lá atrás, muitos ainda andando, porque não deu vazão à multidão de pernas. o chip marca com exatidão o tempo de cada atleta. eu, por exemplo, nessa prova: meu tempo líquido foi de 1h04, ou seja, o tempo que eu gastei entre a largada e a chegada. o tempo total foi de 1h11, contando a partir da largada do pelotão de elite. quer dizer: levei sete minutos para chegar ao tapete da largada, a partir do momento em que os ponteiros largaram. para você ver como tem gente!

g.brou: boa tentativa essa, mas a mamãe aqui já cansou de dar carona para marmanjos fedidos, alguns da família, inclusive (hehehe). isso faz lembrar um episódio do seinfeld, no qual o carro do jerry fica com um insuportável cheio de corpo (chamado no programa de b.o. - body odor!) depois que um manobrista cheiroso entra nele. bem politicamente correto...

Cassio gripp said...

olá alessandra!
estou aqui! aliás, como sempre - lendo suas colulnas no gptotal ou no seu blog - só que agora interagindo.
será uma honra compartilhar idéias com você e com seus amigos-leitores!!

Milton said...

Se você postar um comentário com as "dezenas " de razões para correr ... tudo bem.
Senão, CAI FORA. Arranje um lugar para correr nos seus 5 e alguma coisa min/km e "vê" se também não atrapalha.